Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Poder Judiciário da UniãoTribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Navegação

Ferramentas Pessoais
Principal Institucional Imprensa Notícias 2017 Agosto Saiba como é a casa de Moro no Paranoá

Saiba como é a casa de Moro no Paranoá

por SB — publicado em 10/08/2017 15:55

Juiz Júlio - Diretor do Fórum do ParanoáMoro chegou, sentiu-se em casa e não quis mais sair. Aliás, esse é o sentimento geral de quem chega ali – quer criar raízes. Estamos falando do Fórum do Paranoá, no Distrito Federal, e do já conhecido cachorro vira-lata que só atende quando é chamado pelo nome de Moro, alcunha que recebeu em homenagem ao juiz paranaense. Ele chegou ao Fórum em setembro do ano passado, encantou-se com a receptividade e encantou a todos. Sentiu-se no dever de retribuir e assumiu o papel de vigia do Fórum durante a noite, tarefa que já ajudou a levar à prisão um elemento que rondava por ali em um carro roubado.

Moro chegou com fome e precisou de cuidados veterinários. Foi notado primeiramente pelo pessoal da segurança e adotado pela servidora Ana Valéria Matias que providenciou o acolhimento do animal. Ao perceber o apego de Moro pelo Fórum e pelos servidores, o jeito foi pedir sua permanência. A resposta veio afirmativa, por parte do juiz diretor do Fórum, Julio Cesar Lerias Ribeiro. Ao ser consultado, o magistrado lembrou-se de um julgado em que as duas partes pleiteavam a posse de um cavalo. Na impossibilidade de identificar o dono, o juiz decidiu que o animal ficaria no local que ele próprio escolhesse. Resolveu usar a mesma solução: Moro ficará onde ele mesmo decidiu viver, ou seja, no Fórum Desembargador Mauro Renan Bittencourt, na Região Administrativa do Paranoá. A chegada de Moro levou à criação de um grupo de What’s App reunindo 19 servidores que rateiam despesas e cuidados com o animal, que não custa um centavo sequer ao Tribunal.

Mas não é apenas Moro que foi chegando e decidiu ficar. Os magistrados e servidores ali lotados, parece que também se sentem em casa. Com esforços voluntários, criatividade e boa vontade, vão construindo dia a dia um ambiente cada vez mais acolhedor. O jardim em frente à entrada principal foi adornado com mais de 100 mudas cedidas por uma servidora do Tribunal; uma sala para receber crianças com brinquedos, TV e até um cantinho para tirar uma soneca foi reformada e equipada com doações. Conforme o juiz Júlio, “hoje está em moda a palavra ‘afetividade’. Esse é meu estilo de trabalhar e também o estilo dos servidores do Fórum. A ideia aqui é ser inclusivo; o Fórum do Paranoá tem uma energia acolhedora para o usuário da Justiça. Nós estamos aqui para atender o pessoal do Paranoá e do Itapoã, que é uma região imensa. Quando as pessoas chegam, deparam-se com seres humanos, muito mais do que com servidores, no sentido formal da palavra. O Judiciário é, antes de mais nada, um prestador de serviço e deve estar atento às necessidades do usuário e suas dificuldades. Aqui, somos servidores facilitadores”.

Moro e Ana ValériaEssa busca por um atendimento de qualidade resultou na ampliação do espaço físico destinado ao Núcleo de Assistência Jurídica do Uniceub, que passou a atender causas destinadas aos Juizados Cível, Criminal e de Violência Doméstica, além das Varas de Família, Cível, Criminal e do Tribunal do Júri que já atendia anteriormente. Foi montada uma sala para sanar dúvidas de partes a advogados nas questões relativas ao Processo Judicial eletrônico (PJe), que em breve chegará ao Fórum. Foram feitas também realocações de espaços que permitiram a implantação do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania - CEJUSC/PAR, de seccional da OAB/DF e de um espaço de convivência para os servidores. Uma parceria bem-sucedida com a OAB permitiu a instalação de uma cancela na entrada do Fórum. O Tribunal, por sua vez, construiu uma guarita, aumentando a segurança do local. Para o futuro, o magistrado realiza tratativas no sentido de aumentar o espaço do Fórum por meio de encampação de uma área contígua, atualmente ocupada por um CRAS, projeto que está em análise tanto no TJDFT quanto no GDF.

ícone twitter  ícone facebook