Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Poder Judiciário da UniãoTribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Navegação

Ferramentas Pessoais
Principal Institucional Imprensa Notícias 2018 Junho Justiça Infantojuvenil do DF recebe palestrantes alemães para falar de Constelação Familiar

Justiça Infantojuvenil do DF recebe palestrantes alemães para falar de Constelação Familiar

registrado em:
por NC/SECOM/VIJ-DF — publicado em 13/06/2018 09:15

Justiça Infantojuvenil do DF recebe palestrantes alemães O Fórum da Justiça da Infância e da Juventude do Distrito Federal recebeu, na tarde desta segunda-feira, 11/6, o professor e terapeuta alemão Jakob Schneider e a professora e orientadora escolar alemã Sieglinde Schneider, que proferiram a palestra “Fortalecer e reconstruir os vínculos familiares pela abordagem da Constelação Familiar” para cerca de 90 pessoas, a maioria, servidores do Judiciário.

O objetivo da palestra foi difundir, nos órgãos que compõem a rede protetiva infantojuvenil, a Constelação Familiar como método inovador de abordagem sistêmica, que, ao reconstruir a árvore genealógica de cada indivíduo, pretende analisar se os seus problemas atuais são frutos ou reprodução de problemas ou situações transgeracionais, ou seja, estigmas transmitidos pelos membros das famílias durante o tempo.

Os palestrantes relataram exemplos concretos da utilização da técnica para demonstrar resultados obtidos por meio da abordagem sistêmica tanto com crianças e adolescentes quanto com adultos. Com o intuito de deixar claro como a Constelação Familiar foi aplicada em casos atendidos por eles, Jakob e Sieglinde Schneider simularam a técnica com a participação do público presente.

Segundo Jakob, a resolução de conflitos pela Constelação Familiar envolve o entendimento sistêmico dos relacionamentos, com um olhar mais amplo sobre o indivíduo e as relações entre as pessoas envolvidas. “O jovem infrator vive muitas vezes em uma família desestruturada. É preciso olhar esse jovem no contexto das suas relações. Olhar o sistema relacional que envolve a vida do jovem”, disse o professor Schneider.

Justiça Infantojuvenil do DF recebe palestrantes alemães

Para os palestrantes, é preciso sair do padrão “culpado versus inocente” na busca do entendimento entre as pessoas. “Na Constelação Familiar, a gente olha para além da culpa, olha para o sentido do problema no âmbito das relações”, afirmaram. De acordo com o casal Schneider, o jovem e sua família precisam de um entendimento em relação às circunstâncias dos fatos, sendo importante, portanto, observar o contexto das ocorrências e dos conflitos.

Ainda conforme os professores, no caso de jovens infratores, é necessário também voltar o olhar para o contexto social, o Estado, o país, na busca do sentido e das raízes dos problemas vividos por eles e suas famílias. “O problema do jovem infrator é coletivo. Não vamos mudar a sociedade com as constelações familiares, mas podemos trabalhar em grupos, esperando que a semente germine e influencie a sociedade como um todo”, afirmou Jakob.

Em relação às crianças, os palestrantes abordaram temas como sofrimento e comportamentos frutos de experiências transmitidas pelos pais e outros familiares. Segundo eles, as crianças acabam tomando para si questões pelas quais suas famílias não se responsabilizaram. Por isso, deve-se questionar o que fazer com os pais para que a criança seja libertada do seu sofrimento. “Ajudamos as crianças de forma mais eficiente quando buscamos o sentido maior do seu problema”, disse Sieglinde Schneider.

Justiça Infantojuvenil do DF recebe palestrantes alemães Outro ponto destacado pelos palestrantes foi a visão sistêmica acerca dos destinos, das exclusões e dos papéis dos indivíduos nas suas respectivas famílias, entre outras questões. Segundo o casal, a Constelação Familiar ajuda a identificar como uma família pode funcionar de forma mais adequada e harmônica, com cada membro ocupando seu devido lugar e se sentindo parte importante do sistema familiar. Jakob Schneider afirmou ser necessário “fortalecer o feminino na mulher e o masculino no homem”.

De acordo com os palestrantes, tomar a nossa ancestralidade como força para o futuro nos auxilia a seguir em frente, independentemente do que se passou. Segundo o casal, esta é a pergunta básica da Constelação Familiar: “Como a vida pode fluir?”. Na visão deles, resolver os nossos conflitos e descobrir de onde vem a nossa força vital é “tomar a vida” e seguir seu fluxo próprio através das gerações.

Sobre o evento

A palestra foi promovida pela Coordenadoria da Infância e da Juventude do Distrito Federal (CIJ-DF) e pela Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal, por meio da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESCS) e da instituição parceira Consultoria Sistêmica. Os palestrantes foram recebidos pela assessora administrativa substituta da CIJ-DF, Karla Guimarães, que os apresentou ao público no início do evento e ao final agradeceu a parceria e a oportunidade dada à Justiça Infantojuvenil do DF.

Justiça Infantojuvenil do DF recebe palestrantes alemães Compuseram a mesa juntamente com os palestrantes a coordenadora técnica do curso de pós-graduação da Consultoria Sistêmica, Miriam Braga; as voluntárias na aplicação da Constelação Familiar no TJDFT Adhara Campos Vieira, autora do livro “A constelação sistêmica no Judiciário”, e Miriam Bastos Tavares; além da tradutora Ulrike Holtz. A plateia contou com a presença de profissionais que já utilizam constelações familiares bem como de interessados no tema.

Os palestrantes são docentes da instituição Consultoria Sistêmica, nos cursos de pós-graduação de “Especialização Sistêmica Fenomenológica Familiar” e de “Especialização Sistêmica Fenomenológica Pedagógica – Paradigma Inovador da Educação no Âmbito Escolar”. Clique aqui para saber mais sobre esses cursos, cuja aula inaugural também ocorreu nesta segunda-feira, 11/6.

Experiência no TJDFT

Por meio do projeto Constelar e Conciliar, o TJDFT vem utilizando com êxito a Constelação Familiar em diversas áreas como, por exemplo, no sistema socioeducativo com os adolescentes em conflito com a lei. A técnica é aplicada em uma oficina vivencial para a qual as partes dos processos são convidadas a participar de maneira totalmente voluntária. A abordagem sistêmica ajuda a identificar conflitos escondidos por trás das demandas judiciais, por meio do esclarecimento de percepções equivocadas das relações familiares.

ícone twitter  ícone facebook