Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Poder Judiciário da UniãoTribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Navegação

Ferramentas Pessoais
Principal Institucional Imprensa Notícias 2018 Março Passageiro deverá ser indenizado por ônibus ter saído antes do horário previsto

Passageiro deverá ser indenizado por ônibus ter saído antes do horário previsto

por SS — publicado em 12/03/2018 18:35

Juíza titular do 2º Juizado Especial Cível de Brasília condenou a Real Sul Transportes e Turismo a pagar a um passageiro os valores de R$ 270,99, a título de indenização por danos materiais, e de R$ 2 mil, por danos morais, em razão de defeito na prestação do serviço de transporte contratado pelo autor.

Segundo a inicial, o autor adquiriu passagens de ônibus interestadual, transporte operado pela empresa ré, no trecho Brasília/DF - Palmas/TO, ida e volta. No entanto, no trecho de volta, cujo embarque ocorreria às 20h, o autor se apresentou às 19h40, mas o ônibus já havia partido às 18h30, o que teria ocasionado prejuízos de ordem moral e material ao passageiro. Por outro lado, a parte ré não comprovou fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito reclamado (art. 373, II, do CPC), especialmente a culpa exclusiva do autor.

A magistrada que analisou o caso ressaltou que “a teoria do risco do negócio ou atividade é o fundamento da responsabilidade objetiva prevista no Código de Defesa do Consumidor, razão pela qual reputo configurado o ilícito atribuído à ré, que deve reparar os danos causados ao autor (art. 6º, VI, da Lei 8.078/1990)”.

Em relação ao dano material, ficou claro que o autor adquiriu novas passagens para o término da viagem nos valores de R$ 192,56; R$ 49,31 e R$ 29,12, totalizando os R$ 270,99 de prejuízo que deverão ser reparados pela ré, que deu causa ao ocorrido. No entanto, observou a magistrada, “(...) não é o caso de reembolso do valor originalmente pago, sob pena de configurar enriquecimento indevido do usuário, pois o autor chegou ao destino final e a contraprestação é devida”.

Por último, em relação ao dano moral, a juíza considerou que “o abandono do autor em terminal rodoviário é fato que, por si só, gera angústia e insegurança, extrapolando mero inadimplemento do contrato de transporte celebrado entre as partes”. Assim, atendendo aos princípios da razoabilidade e proporcionalidade, e tendo consideradas a capacidade econômica das partes, natureza, intensidade e repercussão do dano, a magistrada arbitrou o prejuízo moral do autor em R$ 2 mil.

Cabe recurso da sentença.

Processo Judicial eletrônico (PJe): 0748212-98.2017.8.07.0016

ícone twitter  ícone facebook  Enviar notícia por WhatsApp