Doação de Medula Óssea

A Campanha de doação de medula óssea fez parte do Projeto de Captação de Doadores de Medula Óssea (PRODOM), um projeto institucional da Presidência do Tribunal, desenvolvido por meio da SESA. Todos os anos, no Brasil, cerca de sete mil pessoas descobrem que estão com leucemia ou outras doenças do sangue. Para elas, a única esperança de vida é o transplante de medula óssea. Porém, a chance de encontrar uma medula compatível pode chegar a uma em cem mil. Nesse contexto, o PRODOM buscou promover a conscientização do público interno e externo sobre a importância da doação e, com isso, aumentar o número de doadores voluntários no cadastro nacional de doadores de medula óssea.
por Pró-Vida — publicado 2017-03-23T15:56:00-03:00

A Campanha de Captação de Doadores de Medula Óssea, que aconteceu no TJDFT na semana de 16 a 19 de novembro de 2011, atingiu um resultado expressivo e sensibilizou magistrados, servidores, terceirizados, estagiários e a comunidade jurídica.

Ao todo, 390 voluntários doaram sangue e esperança. A expressiva adesão surpreendeu até mesmo a Fundação Hemocentro de Brasília, que previa, no máximo, 70 atendimentos por dia e 280 ao final da semana. Na avaliação da Secretaria de Saúde da Casa (SESA), organizadora da Campanha, o evento foi um sucesso, pois conseguiu colocar na pauta do dia um assunto nunca antes discutido no Tribunal: a Doação de Medula Óssea.

A Campanha faz parte do Projeto de Captação de Doadores de Medula Óssea (PRODOM), um projeto institucional da Presidência do Tribunal, desenvolvido por meio da SESA, e que integra o Plano de Gestão do Biênio (PLABI) 2010-2012. O PRODOM atende ao previsto na Lei 11.930/2009, que instituiu a Semana de Mobilização Nacional para Doadores de Medula Óssea para que órgãos públicos e privados realizem ações de esclarecimento e incentivo à doação. A amostra do sangue doada vai integrar o cadastro de doadores voluntários de medula óssea, junto ao Registro Brasileiro de Doadores de Medula Óssea (REDOME). O cadastro e as características genéticas do doador ficarão armazenados para uma eventual doação de medula óssea, caso o doador seja compatível com o paciente.

 

Saiba como ser um doador voluntário de medula óssea

A medula óssea é um tecido líquido-gelatinoso que ocupa o interior dos ossos, sendo conhecido popularmente por “tutano”. Na medula óssea são produzidos os componentes do sangue: as hemácias (glóbulos vermelhos), os leucócitos (glóbulos brancos) e as plaquetas. O transplante de medula óssea é recomendado a pacientes com doenças que afetam as células do sangue, como leucemias, anemia aplástica e linfomas. O transplante é a substituição da medula óssea doente por uma saudável. Com isso, o organismo do paciente transplantado passa a produzir novas células da medula óssea e do sangue. A doação é um ato de solidariedade e pode ajudar pacientes que têm o transplante como única chance de cura. É mais fácil encontrar um doador compatível na população do paciente. Por isso, quanto maior o número de brasileiros cadastrados, maiores as chances dos pacientes.

Informações importantes para aqueles que pretendem ser doadores de medula óssea

O cadastro para doação de medula óssea é algo simples e seguro, contudo, há uma série de dúvidas em torno desse tipo de doação que precisam ser esclarecidas aos candidatos:

- No momento do cadastro o doador não efetuará a doação de medula;

- A medula óssea , como mencionado anteriormente, é um tecido líquido-gelatinoso que ocupa o interior dos ossos. Ela não deve ser confundida com a medula espinhal, que se localiza no interior da coluna vertebral e é responsável por transmitir os impulsos nervosos do cérebro para os membros;

- Somente serão chamados para o transplante aqueles doadores que forem compatíveis com um paciente. A chance de compatibilidade entre dois brasileiros é de uma em cem mil;

- Se algum dia algum parente de um doador necessitar de um transplante, o doador poderá doar medula novamente;

- A medula irá ser reposta em cerca de 15 dias.

Roteiro da Doação

O candidato apresentará o documento oficial com foto e informará dados pessoais gerais. Após o registro, o doador irá assinar o termo de consentimento e serão coletados cerca de 5ml de sangue. O sangue será tipado por exame de histocompatibilidade (HLA), um teste de laboratório para identificar suas características genéticas. O resultado do exame e seus dados pessoais serão incluídos no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME). As informações genéticas do doador e dos pacientes serão cruzadas. Quando houver um paciente compatível, outros exames serão necessários. Se a compatibilidade for confirmada, você será consultado para confirmar que deseja fazer a doação.

Condições para o cadastro

- Ter entre 18 e 54 anos de idade;

- Estar em bom estado geral de saúde;

- Não ter doença infecciosa ou incapacitante;

- Apresentar documento oficial com foto (carteira de identidade, de habilitação, de trabalho ou passaporte).

Procedimentos de doação

O transplante consiste na substituição de uma medula óssea doente, ou deficitária, por células normais de medula óssea, com o objetivo de reconstituição de uma nova medula saudável. Existem dois tipos de procedimento para a doação, a escolha daquele mais adequado é feita pelo médico.

- Procedimento I: O doador passará por internação hospitalar e será anestesiado em centro cirúrgico. A medula é retirada do interior dos ossos da bacia por meio de punções (pequenas perfurações feitas com agulha). Serão retirados aproximadamente de 500 a 700 ml da medula. Os doadores retornam às suas atividades habituais cerca de uma a duas semanas após a doação. O tempo mínimo de internação hospitalar é de 24 horas.

- Procedimento II: A coleta das células-tronco hematopoiéticas será feita diretamente do sangue periférico e para isso o doador recebe algumas doses de medicação injetável que estimula a migração destas células da medula para o sangue, permitindo sua retirada por meio do procedimento de aférese (doação automatizada), através de uma punção venosa, parecido com o processo de doação de sangue.

O doador de medula óssea deve manter seu cadastro atualizado, para que seja encontrado em caso de haver histocompatibilidade com algum paciente. Para atualizar suas informações, deve preencher o formulário no site do INCA: www.inca.gov.br/doador.

A Fundação Hemocentro de Brasília é uma entidade pública, de caráter tecnológico, científico e educacional, de suprimento de serviços à população do Distrito Federal vinculado à Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal. Dessa forma, a Fundação Hemocentro assegura o atendimento à demanda de sangue e componentes a toda rede pública. Telefones para contato: 3327-4413 ou 3327-4436. E-mail: servicosocial@fhb.df.gov.br

Para mais informações, acessar o site: www.inca.gov.br

Página do doador (para alteração dos dados pessoais): www.inca.gov.br/doador

E-mail (para sanar dúvidas): redome@inca.gov.br

Fonte: material fornecido pela Fundação Hemocentro de Brasília