26/5: Dia Nacional de Combate ao Glaucoma

Dia 26 de maio é comemorado o Dia Nacional de Combate ao Glaucoma, criado com o intuito de conscientizar e alertar sobre a doença. Com a finalidade de não levar o paciente a cegueira total, são realizadas campanhas para mostrar a necessidade do diagnóstico precoce e de um tratamento adequado
por Pró-Vida — publicado 2022-05-25T11:00:25-03:00

O que é Glaucoma
O glaucoma é uma doença ocular capaz de causar cegueira se não for tratada a
tempo, pois 80% dos glaucomas não apresentam sintomas no início da doença. É
uma enfermidade crônica que não tem cura, mas, na maioria dos casos, pode ser
controlada com tratamento adequado e contínuo. Quanto mais precoce for o
diagnóstico, maiores serão as chances de se evitar a perda da visão.
Fatores de Risco
Existem fatores de risco que favorecem o aparecimento da doença, como por
exemplo: idade avançada, hipertensão ocular, miopia elevada, raça negra e
hereditariedade.
Como o glaucoma se desenvolve
O glaucoma ocorre quando a pressão elevada no interior do olho, no decorrer de
alguns anos, danifica as fibras nervosas do nervo óptico. O olho contém um líquido
(humor aquoso) que circula continuamente no seu interior. Esse líquido é
produzido e escoado através de uma região denominada ângulo da câmara
anterior. No glaucoma há uma diminuição no escoamento desse líquido, o que faz
com que ele se acumule dentro do olho, provocando o aumento da pressão intraocular.
Como descobrir a doença?
O glaucoma pode ser detectado somente com o exame oftalmológico cuidadoso,
em que o médico faz a medida da pressão intra-ocular, o exame de fundo de olho e,
quando necessário, solicita o exame de campo visual.
Como pode ficar a visão de uma pessoa com glaucoma?
O portador do glaucoma não tratado começa a perder a visão periférica, ou seja,
quando o indivíduo olha para a frente, enxerga nitidamente os objetos que estão
distantes, porém, não vê o que está nas laterais. Seria como se o olho estivesse
observando através de um tubo. Nos estágios mais avançados, a visão central
também é atingida e o glaucoma pode evoluir para a cegueira.

Perguntas e Respostas
1. Qual o intervalo ideal entre consultas para o controle do glaucoma?
Só o seu médico é capaz de determinar o intervalo, pois depende do paciente, do
estágio da doença e da resposta do paciente ao tratamento, entre diversos outros
fatores.
2. Qual é pressão intra-ocular normal? E a pressão intra-ocular ideal?
Estudos demonstram que a pressão intra-ocular normal é entre 10 e 21 mmHg,
mas sabemos que cada paciente responde de modo diferente a mesmos níveis de
pressão. Há pacientes que apresentam glaucoma com pressão normal e outros
com pressão alta, portanto, cada paciente tem a sua pressão ideal, que deve ser
definida pelo seu oftalmologista.
3. Como funcionam os medicamentos usados no glaucoma?
Os colírios usados no tratamento do glaucoma têm dois principais mecanismos de
ação: ou diminuem a produção ou aumentam a drenagem do líquido que circula
dentro do olho, chamado humor aquoso, com a finalidade de baixar a pressão
intra-ocular.
4. Existe relação entre a pressão intra-ocular e o uso de corticóides?
O uso de corticóides sem recomendação médica aumenta a pressão intra-ocular,
importante fator de risco para o glaucoma. Informe ao seu oftalmologista se for
usar corticóide.
5. Existe relação entre pressão intra-ocular e o consumo de líquidos, inclusive
bebidas alcoólicas?
A ingestão rápida de grande quantidade de líquidos pode elevar a pressão intraocular temporariamente. Não existe relação entre bebida alcoólica e glaucoma.
Pessoas com desatenção à sua saúde têm pior prognóstico do glaucoma.
6. Como deve ser a alimentação ideal para o portador de glaucoma?
Não há evidências científicas de que alterações na alimentação beneficiem ou
prejudiquem o curso da doença.
7. O portador de glaucoma pode praticar qualquer tipo de esporte?
Exercícios físicos podem variar a pressão intra-ocular. Alguns tipos de esportes
beneficiam o tratamento do glaucoma. Atividades aeróbias - como caminhada,
por exemplo - ajudam o controle da pressão intra-ocular. Converse sobre esse
tema com o seu oftalmologista.
8. O transplante de córnea cura o glaucoma?
Não. Transplante de córnea é indicado para as doenças da córnea.
9. As células-tronco podem ser usadas no tratamento do glaucoma?
Existem estudos iniciais, mas ainda não há comprovação científica de benefício ou
risco desta terapia na prática diária.

10. Como devo fazer para amenizar os efeitos colaterais dos colírios?
Todos os colírios podem causar efeitos colaterais diversos - dor, coceira,
desconforto - que variam conforme a sensibilidade de cada paciente. Informe
sempre seu médico sobre qualquer efeito colateral que venha a sentir durante o
uso de seu medicamento, para que, juntos, possam ajustar o tratamento.
11. Existe um tempo determinado para a pessoa portadora de glaucoma
perder a visão?
O objetivo do tratamento do glaucoma é preservar a visão e a qualidade de vida do
paciente. A obediência ao tratamento proposto pelo oftalmologista é importante,
pois o glaucoma é uma doença que não tem cura, mas tem controle. Alguns
pacientes, principalmente os que não fazem o tratamento adequado, podem
evoluir para a cegueira.
12. Ficar muito tempo diante do computador, da TV, ler, são atividades que
favorecem o glaucoma?
Tanto o computador, quanto a televisão, ler ou mesmo outras atividades que
requerem atenção minuciosa não mudam o curso do glaucoma.
13. O glaucoma é transmissível de um olho para o outro?
Geralmente bilateral, o glaucoma atinge de forma pouco diferente de um olho
para o outro. O glaucoma não é contagioso.
15. Por que alguns portadores de glaucoma usam apenas um colírio e outros
usam dois ou três?
O tratamento deve sempre ser individualizado e depende do tipo de glaucoma e
estado do nervo óptico. Por isso, alguns usam um colírio, dois ou mais e outros
fazem cirurgias.
COLÍRIOS
O colírio é a forma mais comumente utilizada para o tratamento do glaucoma.
Guarde o frasco, sempre fechado, de acordo com as instruções do Laboratório
Fabricante, em lugar fresco, evitando expor o medicamento à fonte de calor ou à luz
solar (dentro do carro, bolso da calça ou da camisa, etc). O calor e a luz provocam
alterações na composição do medicamento, tornando-o ineficaz.
Lave bem as mãos.
Puxe suavemente a pálpebra inferior, formando uma bolsa (Fig. 1).
Instile uma gota de colírio na bolsa formada (Fig. 2).
Evite tocar a ponta do frasco na mão, nos cílios ou na pálpebra.
Feche os olhos suavemente e, com os olhos fechados, oclua o canal lacrimal por 1
minuto (Fig 3).
Só instile a segunda gota se tiver certeza de ter errado a instilação da primeira
Se utilizar mais do que um colírio e coincidir o horário de aplicação, aguarde, no
mínimo, 10 minutos entre eles.
MODO DE USAR
DICAS
Caso utilize mais do que um colírio para tratar o seu glaucoma, identifique-os com
etiquetas ou fitas colocridas e faça uma tabela, deixando-a em lugar visível. Isso
facilitará a administração.
Adapte os horários às suas atividades diárias - ex.: café da manhã, jantar, etc - O
glaucoma é controlado pelo uso correto e regular do medicamento, inclusive no dia da
consulta.
Nunca deixe de usar ou troque seu colírio sem o consentimento de seu médico
oftalmologista.
Como o glaucoma é tratado?
Geralmente o tratamento é feito com colírios, podendo-se recorrer ao laser ou
cirurgias, conforme recomendação médica, de acordo com o tipo de glaucoma e
estado no nervo óptico do paciente.
Fontes: Sociedade Brasileira de Glaucoma

                  Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira - IMIP