Gestão de Riscos

Governança e Gestão de Riscos

A Governança Institucional do TJDFT se caracteriza por um conjunto de boas práticas para direcionar, gerir e controlar as atividades de uma organização.

Nesse contexto, GESTÃO DE RISCOS representa uma dessas práticas de governança que prioriza as questões mais críticas e serve de subsídio à tomada de decisões responsável e participativa para alocação dos recursos disponíveis, de acordo com as questões mais críticas e urgentes.

Além disso, a gestão de riscos é uma ferramenta que pode ser aplicada a qualquer atividade, projeto ou processo organizacional, pois risco é toda incerteza que pode afetar o alcance dos objetivos do que se pretende realizar.

Conheça e acompanhe o plano de ações para implementação da Gestão de Riscos no TJDFT.

Política de Gestão de Riscos e Controles do TJDFT

O TJDFT adotou a metodologia, cujos fundamentos teóricos se basearam, principalmente, na recomendações da NBR ISO 31000:2009 e do Referencial Básico de Gestão de Riscos do TCU.

Assim, a Política de Gestão de Riscos, por meio da Portaria Conjunta 2, de 4 de janeiro de 2019, estabelece princípios, objetivos, diretrizes, estrutura e responsabilidades a serem observadas no processo de gestão de riscos do TJDFT, nos níveis estratégico, tático e operacional.

Guia de Gestão de Riscos e Controles

A metodologia apresentada no Guia foi elaborada pelo grupo de trabalho da Secretaria de Planejamento e Gestão Estratégica – SEPG, em parceria consultiva com a Secretaria de Controle Interno — SECI, com o propósito de orientar o gerenciamento de riscos em todas as atividades desenvolvidas no âmbito do Tribunal.

Apetite e Tolerância a riscos

Apetite a risco é o nível que a organização está disposta a aceitar para atingir os objetivos identificados no contexto analisado.

Enquanto, tolerância a risco é a margem que a Administração permite aos gestores de suportar o impacto de determinado risco em troca de benefícios específicos, ainda que esse risco seja superior ao apetite a risco determinado pela organização.

O TJDFT conta com o Comitê de Governança e Gestão Estratégica – CGGE para monitorar, avaliar, revisar e propor alterações na política de gestão de riscos e controles do TJDFT; monitorar o tratamento dos riscos; analisar e encaminhar o relatório de análise crítica e o mapa de riscos organizacionais à Administração Superior; além de propor o adequado grau de apetite e tolerância a riscos do órgão.

Diante dessa circunstância, o CGGE aprovou como grau de apetite a riscos o Nível ALTO.

Isso quer dizer que, qualquer risco avaliado como alto ou extremo deve necessariamente ser mitigado, enquanto que dos riscos de níveis baixo e médio, o tratamento fica a cargo do gestor.

No entanto, caso o gestor identifique não ser possível ou o custo benefício não compense o tratamento, é possível que se leve ao conhecimento do CGGE para que coparticipem da deliberação sobre aceitar, evitar, mitigar, ou compartilhar o risco. Isso proporciona maior engajamento da Administração Superior quanto às questões críticas do Tribunal, além de resguardar os gestores em relação às suas tomadas de decisões.

DÚVIDAS FREQUENTES (em construção)

Em caso de dúvidas, fique à vontade para entrar em contato com o Escritório de Riscos do TJDFT, composto pela equipe multidisciplinar:

 

Secretaria de Planejamento e Gestão Estratégica

Ludmila P S Couto Maciel

E-mail: ludmila.maciel@tjdft.jus.br

Ramal: (61) 3103 7746

 

Serviço de Gestão de Processos de Trabalho

Mariana Bicalho Machado

E-mail: mariana.bicalho@tjdft.jus.br

Ramal: (61) 3103 7099

 

Serviço de Gestão de Processos de Trabalho

Leonardo Alves de Melo Neves

E-mail: leonardo.neves@tjdft.jus.br

Ramal: (61) 3103 7099

 

Serviço de Gestão de Projetos Institucionais

Carlos Augusto da Silva

E-mail: carlos.dasilva@tjdft.jus.br

Ramal: (61) 3103 7023