Riscos

última modificação: 2020-12-10T16:54:47-03:00

A Governança Institucional do TJDFT se caracteriza por um conjunto de boas práticas para direcionar, gerir e controlar as atividades de uma organização.

Nesse contexto, gestão de riscos representa uma dessas práticas de governança que prioriza as questões mais críticas e serve de subsídio à tomada de decisões responsável e participativa para alocação dos recursos disponíveis, de acordo com as questões mais críticas e urgentes.

Além disso, é uma ferramenta que pode ser aplicada a qualquer atividade, projeto ou processo organizacional, pois risco é toda incerteza que pode afetar o alcance dos objetivos do que se pretende realizar.

Publicações

Política e Sistema de Governança institucional do TJDFT

A Resolução 2 de 2019 é o principal normativo interno sobre o tema, que abrange e orienta os subsistemas de governança (contratações, pessoas e tecnologia da informação e comunicação).

Política de Gestão de Riscos e Controles do TJDFT

Portaria Conjunta 2 de 2019 estabelece princípios, objetivos, diretrizes, estrutura e responsabilidades a serem observadas no processo de gestão de riscos do TJDFT, nos níveis estratégico, tático e operacional.

A metodologia adotada pelo TJDFT é baseada em fundamentos teóricos e em recomendações da NBR ISO 31000:2009 e do Referencial Básico de Gestão de Riscos do TCU, atualizados pela ISO 31000:2018.

Guia de Gestão de Riscos e Controles do TJDFT

O Guia de Gestão de Riscos e Controles do TJDFT foi elaborado pela Secretaria de Planejamento e Gestão Estratégica – SEPG, com o propósito de orientar o gerenciamento de riscos em todas as atividades desenvolvidas no âmbito do Tribunal.

  Em breve:

O Guia de Gestão de Riscos e Controles está sendo revisado para a publicação de sua 2ª versão, com mais exemplos e conteúdo explicado de forma mais simples a fim de facilitar a aplicação em todas as unidades do TJDFT.

Relatórios de progresso

2020

2019

Apetite e Tolerância a riscos

Apetite a risco é o nível que a organização está disposta a aceitar para atingir os objetivos identificados no contexto analisado.

Enquanto, tolerância a risco é a margem que a Administração permite aos gestores de suportar o impacto de determinado risco em troca de benefícios específicos, ainda que esse risco seja superior ao apetite a risco determinado pela organização.

O TJDFT conta com o Comitê de Governança e Gestão Estratégica – CGGE para monitorar, avaliar, revisar e propor alterações na política de gestão de riscos e controles do TJDFT; monitorar o tratamento dos riscos; analisar e encaminhar o relatório de análise crítica e o mapa de riscos organizacionais à Administração Superior; além de propor o adequado grau de apetite e tolerância a riscos do órgão.

Apetite: o CGGE aprovou como  apetite a riscos do TJDFT o nível MÉDIO para aceitação dos riscos, à critério do responsável pelo risco. A partir do nível ALTO, os riscos devem deve necessariamente ser tratados.

Tolerância: Quando o custo benefício não compensar ou não possibilitar a mitigação de determinado risco com nível alto ou extremo, caberá ao Gestor de Riscos levar o caso ao conhecimento do CGGE para decisão compartilhada.

Isso quer dizer que, qualquer risco avaliado como alto ou extremo deve necessariamente ser mitigado, enquanto que dos riscos de níveis baixo e médio, o tratamento fica a cargo do gestor.

No entanto, caso o gestor identifique não ser possível ou o custo benefício não compense o tratamento, é possível que se leve ao conhecimento do CGGE para que coparticipem da deliberação sobre aceitar, evitar, mitigar, ou compartilhar o risco. Isso proporciona maior engajamento da Administração Superior quanto às questões críticas do Tribunal, além de resguardar os gestores em relação às suas tomadas de decisões.

*Obs: o apetite e a tolerância poderão ser alterados, conforme o cenário e a maturidade da Casa em relação à Gestão de Riscos.

Consultorias

O Comitê de Governança e Gestão Estratégica aprovou as áreas que serão prioritárias na implementação da metodologia de Gestão de riscos, por meio de consultoria da equipe da Secretaria de Planejamento e Gestão Estratégica - SEPG:

Área

Processo analisado

Oficinas de Gestão de Riscos realizadas em 2020

Oficinas de Gestão de Riscos previstas para 2020

Aquisições Meta processo de Aquisições Junho de 2019 a janeiro de 2020
Tecnologia da Informação e Comunicação Segurança da Informação Janeiro a dezembro de 2019
Gestão de Pessoas Pagamento Agosto a novembro de 2019
Tecnologia da Informação e Comunicação PJe Iniciada em março de 2020
Gestão de Pessoas Teletrabalho Iniciada em setembro de 2020
Gestão de Pessoas Prestação de contas de atos de pessoas ao TCU Iniciada em setembro de 2020
Segurança Institucional Contratação de motoristas terceirizados Iniciada em setembro de 2020
Obras A definir Não iniciada
Gestão Predial Gestão de Facilites Iniciada em setembro de 2020
Integridade Pública Em planejamento do escopo Iniciada em setembro de 2020
Organizacional Estratégicos Não iniciada

Tabela: planejamento das oficinas de gestão de riscos

Processos/Projetos

Processos/Projetos com riscos identificados e analisados em parceria com a SEPG:

Organizacionais

  • Revisão do plano estratégico
  • Gestão do Plano de Logística Sustentável do TJDFT
  • Elaboração de atos normativos
  • Execução do plano anual de auditoria (PAA)
  • Planejamento de Auditorias

Gestão de Pessoas

  • Sistema de pagamento
  • Otimização do fluxo de trabalho relacionado aos processos do TCU

Gestão das Aquisições

  • Gestão do meta processo de Aquisições
  • Gestão dos bens móveis patrimoniais
  • Planejamento da contratação de serviço com terceirização de mão-de-obra

Tecnologia da Informação

  • Segurança da informação
  • Planejamento da contratação de soluções de TI
  • Desenvolvimento e infraestrutura do Processo Judicial Eletrônico

Segurança Institucional

  • Segurança patrimonial de depósitos
  • Contratação de serviços de recepção, controle e manobra de veículos e transporte vertical de pessoas
  • Contratação de motoristas

Gestão Predial

  • Gestão e acompanhamento de manutenções prediais corretivas
  • Gestão de Facilities

Área Finalística

  • Prestação jurisdicional à sociedade do DF
  • Distribuição de feitos no PJE
  • Realização de audiências por videoconferência

Pandemia de COVID-19

  • Planejamento do retorno às atividades presenciais
  • Teletrabalho extraordinário em contexto de COVID-19
  • Contratação de EPI'S necessários aos processo de retomada das atividades presenciais do TJDFT em meio ao combate à Pandemia do COVID-19

Fale conosco!

Fique à vontade para entrar em contato com o Escritório de Riscos do TJDFT:

Secretaria de Planejamento e Gestão Estratégica - SEPG

Projeto de Implementação da Gestão de Riscos no TJDFT


***Em virtude da pandemia de COVID 19, o TJDFT encontra-se, em sua maioria, em regime de teletrabalho. Portanto, qualquer necessidade referente à Gestão de Riscos, gentileza entrar em contato com a Ludmila Maciel, via e-mail ou  whatsapp.