Coordenadora do PROAMI Alessandra Salomão - Semana do Aleitamento 2016

por ACS — publicado 2016-08-03T16:22:00-03:00

Senhoras e senhores, boa tarde!

É um prazer recebê-los nessa cerimônia de Abertura da Semana Mundial de Aleitamento Materno no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios.

Este ano, o tema da Semana Mundial do Aleitamento Materno destaca a questão da sustentabilidade e o Ministério da Saúde nos convida a refletir sobre o lema: Amamentação: faz bem para o seu filho, para você e para o planeta.

Os benefícios da amamentação tanto para a mãe quanto para o bebê já são bem conhecidos, mas é importante lembrar que a amamentação também beneficia a sociedade como um todo.

Os benefícios da amamentação para a mãe, entre outros, são no sentido de prevenir o câncer de mama e de ovário; auxiliar no retorno do útero ao tamanho normal e reduzir o risco da mulher desenvolver a síndrome metabólica, ou seja, as doenças cardíacas e o diabetes.

Para a criança, os benefícios são inúmeros, pois o leite materno atende a todas as necessidades do bebê até os 6 meses de idade (sendo recomendável a sua continuidade até os 2 anos de vida); é fácil de ser digerido e provoca menos cólica; colabora com a formação do sistema imunológico da criança; previne alergias, obesidade e a intolerância ao glúten; aumenta o vínculo entre mãe e filho, além do que a amamentação aliada à alimentação de qualidade contribui para o desenvolvimento mental e cognitivo, ou seja, para aprendizagem.

E podemos pensar: Como os benefícios da amamentação auxiliam na preservação do planeta? Atualmente, a palavra de ordem ésustentabilidade. Mas, o que é um desenvolvimento sustentável? É o  desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as suas próprias necessidades. Nesse sentido é que ressaltamos que o leite materno é um alimento natural e barato; não poluente e que não degrada os recursos naturais; já está na temperatura ideal; evita o risco de contaminação; entre outras vantagens.

Se tomarmos como exemplo a fabricação do leite artificial para o preparo de mamadeiras veremos os inúmeros recursos que são dispendidos à essa prática. A começar pela criação de gado leiteiro, que exige o desmatamento de florestas e é a grande responsável pela emissão de gás que agride a camada de ozônio. Imaginemos que por mês, 4 ou 5 latas de leite possam ser utilizadas e que, por ano, essa quantidade pode chegar a 60 latas. Agora, imaginemos o volume de água e de gás utilizado no preparo das mamadeiras em todas as casas do mundo. E o que fazer com todo o lixo produzido? Sabemos que nem todas as cidades possuem a política de reutilização de materiais, pois somente 3% do lixo é reciclado. Além desses aspectos, é importante lembramos que a economia para as famílias seria em torno de R$2 a 3.000,00 anuais, se não tivessem que gastar com os leites artificiais.

Retomando a questão da infância, no último mês de março, o Brasil se tornou o primeiro país da América Latina a reconhecer a importância da criança e valorizar a primeira fase da vida, com a publicação do Marco Legal da Primeira Infância.

Diversos estudos científicos comprovam que os 6 primeiros anos de vida da criança, incluindo a gestação, são cruciais para o desenvolvimento do adulto que ela irá se tornar, ou seja, os primeiros anos de vida da criança são relevantes na formação humana, na construção do sujeito e na construção das estruturas afetivas, sociais e cognitivas que dão sustentação a toda a vida posterior da pessoa.

As principais inovações do Marco Legal da Primeira Infância são: garantir o direito de brincar à criança; ampliar a licença paternidade para 20 dias; envolver as crianças de até 6 anos na formatação de políticas públicas e garantir profissionais mais qualificados para atuar com esse público.

Essa lei demonstra um olhar especial para a esfera judicial, pois determina que passe a constar do inquérito policial informações sobre gravidez e a existência de filhos da pessoa presa, ou ainda, que esse questionamento ocorra por ocasião do interrogatório, pois sugere que a existência de prole (ainda que por nascer) deve ser considerada na determinação da pena a ser cumprida em caso de condenação, a fim de que os direitos e os interesses das crianças e dos adolescentes sejam preservados.

James Heckmann, professor da Universidade de Chicago, no ano 2000, recebeu o prêmio Nobel de economia por desenvolver pesquisas sobre os efeitos dos estímulos educacionais oferecidos às crianças nos primeiros anos de vida. A conclusão a que seus estudos chegaram foi que quanto antes os estímulos vierem, mais chances a criança terá de se tornar um adulto bem sucedido. Esse pesquisador ressalta que iniciativas mínimas têm altíssimo impacto, como o hábito de conversar com os filhos ou emprestar-lhes um livro. Heckmann ainda revela que a cada dólar  investido na primeira infância, a sociedade recebe sete dólares em retorno.

O TJDFT, por meio do Programa de Assistência Materno-Infantil, ocupa uma posição de destaque ao oferecer às suas servidoras gestantes palestras que tratam de aspectos básicos para uma gravidez saudável, incluindo aí, a importância do aleitamento materno.

Além disso, nos 11 anos de existência deste programa, ofereceu à cerca de 1000 servidoras a oportunidade de trabalharem tranquilas e serem mais produtivas na prestação jurisdicional, ao saberem que seus filhos estão em um berçário que tem entre seus objetivos, o respeito aos direitos da criança. Os projetos “Ler com o Bebê é um Prazer” e “Aprender Brincando”, que são desenvolvidos no berçário e em parceria com as famílias, são provas de que este Programa de Assistência Materno-Infantil se coaduna com as mais inovadoras propostas de valorização da primeira infância.

Dessa forma, entendemos que o TJ, ao promover o berçário, investe na melhoria profissional e pessoal de suas servidoras, contribui com a saúde e com a aprendizagem das crianças e, assim, colabora na construção de um futuro sustentável para toda a sociedade.

Por fim, agradeço aos servidores do berçário que exercem suas funções com todo zelo e profissionalismo. A todos os setores que colaboram de forma primorosa e carinhosa com o PROAMI; às mães que estabelecem uma parceria tão positiva com as propostas e projetos do berçário e ao Presidente desta Corte, o Excelentíssimo Desembargador Mário Machado, que estimula e apoia o aleitamento materno nesse Tribunal de Justiça.

Muito Obrigada!