Mediação Comunitária

TJDFT lança guia digital de formação
por ACS — publicado 2017-02-24T09:25:00-03:00

“Há 16 anos, um novo modelo de Justiça começou a ser concebido no ventre do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios. Como todo rebento que carrega o novo, o projeto rompia com algumas liturgias e tradições e apontava para um futuro, ainda incerto, mas repleto de esperança. Em busca de ampliar os caminhos para a efetiva democratização da justiça, o projeto Justiça Comunitária adotou a premissa de que acesso à justiça não se limita ao acesso à prestação jurisdicional”. Com essas palavras, o Desembargador Mário Machado, Presidente do TJDFT, apresenta o Guia de Formação em Mediação Comunitária, que, hoje, é lançado para acesso digital, pelo Programa Justiça Comunitária-PJC.

A obra aborda a Mediação Comunitária como uma prática social emancipatória, em que mediadores e comunidade se articulam horizontalmente e em redes, de forma que os próprios envolvidos nos conflitos os identifiquem e os compreendam, bem como sejam capazes de gerar suas próprias soluções.  Traz também análises ricamente fundamentadas sobre conflitos, mediação e meios de resolução de conflitos, bem como considerações sobre outros dois pilares de atuação do PJC no DF, além da mediação comunitária: a educação para os direitos e a animação de redes sociais. 

A autora do Guia de Formação e idealizadora do PJC, Juíza Gláucia Falsarella Foley, comemora o seu lançamento: “Compartilho a alegria de termos nossa obra disponível de forma ampla e democrática, bem ao estilo PJC”. O Guia, destaca a magistrada, “resultou da reflexão teórica e das práticas desenvolvidas ao longo de mais de 16 anos pelo Programa Justiça Comunitária do TJDFT, sob o entusiasmo dos Agentes Comunitários de Justiça, a dedicação e o compromisso de nossa equipe técnica, bem como o incondicional apoio que sempre recebemos do TJDFT”.

Na abertura do Guia de Formação em Mediação Comunitária, o Desembargador José Jacinto Costa Carvalho exalta a inciativa: “O sentimento que pulsa no âmbito da 2ª Vice-Presidência deste Tribunal é de alegria e satisfação, tanto pela relevância do trabalho aqui realizado quanto pela energia incessante empregada por todos aqueles que permitiram sua concretização”.

A Justiça Comunitária, conforme descreve sua idealizadora, “é uma justiça que pulsa nos múltiplos cenários onde a vida se descortina e que reconhece o protagonismo da comunidade e sua vocação para construir os seus próprios canais de inclusão e de transformação social. Minha esperança é que este trabalho possa fomentar a busca por novos caminhos para que a justiça seja praticada na, para e, sobretudo, pela comunidade”.

Esperança e otimismo, em sintonia, são também a expressão do Presidente do TJDFT: “essa generosa ampliação do conceito de acesso à Justiça é a principal ideia que embala a Justiça Comunitária, hoje, um programa consolidado, premiado e reconhecido pelo Sistema Judicial e pela comunidade onde atua”

Guia de Formação em Mediação Comunitária já está disponível. Clique aqui para acessá-lo.