Juíza do TJDFT lança CD de Samba no próximo dia 2 de junho

por ACS — publicado 2012-05-17T00:00:00-03:00
A Juíza Gláucia Foley, do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, lança, no próximo dia 02 de junho, o seu primeiro CD de samba, intitulado "Meu Canto". No repertório, músicas inéditas e alguns clássicos, como Peito Vazio, de Cartola e Elton Medeiros, e Jamais, de Jacob do Bandolim e Luiz Bittencourt. Dentre as inéditas está a canção Guerreira, de Roberto Serrão e Guilherme Nascimento, que dividem espaço com outras bem conhecidas como Gotas de Veneno (Nei Lopes e Wilson Moreira) e Nasci pra Sonhar e Cantar de D. Ivone Lara.

O lançamento do CD será no Clube do Choro, no dia 02 de junho. A produção musical é de Evandro Barcellos, e tanto no show, como no CD, há as participações especiais de Reco do Bandolim, Toninho Nascimento e Roberto Serrão.

O amor da Juíza Glaúcia Foley pelo samba começou em Passa Quatro, Minas Gerais, onde nasceu. Ainda menina, ela freqüentava as rodas de sambas da cidade, aprendendo e cantando. E nunca mais deixou de cantar. Já em Brasília, ela continuou ao lado do samba, em rodas que se formavam por todos os cantos da cidade. Agora Gláucia Foley, ainda fiel ao samba, mudou de plataforma: das rodas para o CD, com o lançamento do primeiro disco, "Meu Canto", emocionante tributo ao samba.

Ainda em Passa Quatro, a Juíza Glaúcia lembra com carinho quando o pai decidiu abrir um bar e, antes da inauguração, num cantinho onde havia um violão, virou-se para ela e disse: "Esse canto é procê, filha". O disco é dedicado a ele. Em Brasília, já advogada, ela cantava onde podia. Mesmo juíza no Distrito Federal, casada e com um filho, ela continuava com o samba correndo nas veias, até que finalmente, depois de anos de tentativas, Evandro Barcellos convenceu-a a gravar o CD.

O resultado é um lindo trabalho, onde a Juíza revela que apesar da seriedade exigida pela Toga, há espaço para " cantar , entoar as dores humanas que, de alguma maneira, se expressam como matéria prima da justiça", destacou a magistrada na matéria "Mineira de toga e de bamba" publicada no caderno Diversão e Arte do jornal Correio Brasiliense, no dia 31/3. A montagem do repertório do disco não foi fácil, ma é uma seleção representativa do amor e da persistência pelo samba.

A Juíza Gláucia Falsarella atua no Juizado Especial Criminal de Taguatinga e também é uma das Coordenadoras do Programa Justiça Comunitária do TJDFT. Reconhecido como prática inovadora capaz de contribuir para a modernização e a qualidade da prestação jurisdicional, o Programa do TJDFT ganhou o Prêmio Innovare, no ano de 2005, e desde então conta com a parceria do Ministério da Justiça, por meio da Secretaria de Reforma do Judiciário e já resultou na implantação de 37 núcleos de Justiça Comunitária por todo o país.

Cliqui aqui e veja o folder do evento.