Cães-guia visitam TJDFT na abertura da Semana de Inclusão

por ACS — publicado 2012-09-12T18:55:00-03:00

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios inicia, na próxima segunda-feira, 17/9, sua Semana de Inclusão, a 3ª Diversidarte – Matizes da Pluralidade (veja Programação), com a visita de quatro labradores do Projeto Cão-Guia de Cegos do DF nas dependências do Fórum de Brasília, Desembargador Milton Sebastião Barbosa.

Os cães treinados pelo corpo de bombeiros percorrerão vários setores, entre eles o restaurante do bloco A, onde são esperados a partir do 12h, a idéia é demonstrar a capacidade dos animais em conduzir os deficientes visuais em qualquer ambiente e conscientizar os funcionários ao respeito e tratamento adequado ao deficiente visual utilizador de um cão-guia. 

O ingresso e a permanência do deficiente visual acompanhado do cão-guia em locais públicos ou privado, de uso coletivo foi estabelecido pela Lei no 11.126, de 27 de junho de 2005 e regulamentado pelo decreto no 5904 de 21 de setembro de 2006.

O Projeto Cão-Guia de Cegos do DF é o único no país que dispõe de criação e treinamento próprios e foi, até hoje, o que mais entregou animais treinados – um total de 42, dos cerca de 70 que existem em todo o território nacional. Estima-se que haja no Brasil pelo menos 39 mil potenciais usuários de cães-guia. Mantido pela Associação Brasiliense de Ações Humanitárias - ABA, organização social com autonomia administrativa e financeira, o projeto atua desde 2002 na reprodução, treinamento e acompanhamento dos animais que são cedidos gratuitamente aos usuários finais.

Toda a despesa é custeada pelo projeto, desde ração, atendimento veterinário, adestramento e suporte aos utilizadores. Um cão pronto para guair tem um custo aproximado de R$ 30 mil, para pagar as despesas do cão e da manutenção da infraestrutura o projeto conta com doações, rifas, vendas de camisetas e do patrocínio das empresas Bayer e Premier, além da parceria com o Hospital Veterinário da UnB e o Corpo de Bombeiros Militar do DF. 

A formação de um cão-guia começa com a seleção genética das matrizes (fêmeas) e dos padreadores (machos), da raça Labrador. Os nascimentos são assistidos e, aos dois meses, os filhotes são avaliados e entregues a famílias hospedeiras com quem permanecem até cerca de um ano e meio de idade. Nesse período, a família, com a assistência do Projeto, trabalha na socialização do cãozinho, levando-o a shoppings, ônibus, metrô, carro, ambientes de estudos, trabalho e outros.

Terminada essa etapa, o animal retorna para o centro de treinamento que, em uma área de 7 mil m2 na Academia do Corpo de Bombeiros, no Setor Policial Sul, simula o ambiente da cidade. Ali, ele será treinado especificamente para ser um cão-guia. O projeto conta também com o trabalho de voluntários no cuidado com os animais. Clique aqui e saiba mais sobre o projeto.

A 3ª Diversidarte – Matizes da Pluralidade acontece entre os dias 17 e 23 deste mês de setembro, em uma semana dedicada a atividades artísticas, palestras, esportes e muita interação entre pessoas com e sem  deficiência. O evento, que acontece simultaneamente em oito unidades do TJDFT, celebra o Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, instituído por meio da Lei 11.133/05, comemorado em 21 de setembro. A Diversidarte é realizada pelo Núcleo de Inclusão - NIC, criado em 2009, subordinado à presidência da Casa, com o propósito de promover a inclusão das pessoas com deficiência no âmbito do Tribunal.