Servidores do TJDFT com deficiência recebem equipamentos

por SB — publicado 2013-02-22T18:10:00-03:00

A Secretaria de Tecnologia da Informação do TJDFT atendeu, neste mês de fevereiro/2013, a 100% das demandas dos servidores com deficiência no que se refere a equipamentos e software que promovem acessibilidade. Todos os recursos necessários ao desempenho das atividades laborais dessas pessoas foram adquiridos ou já estão em fase de licitação para compra.

Dentre as demandas, dez monitores de LED de 23”e uma lupa eletrônica foram comprados para facilitar o trabalho de servidores com baixa visão e nove licenças para o software Jaws, leitor de tela, para aqueles com nenhuma ou quase nenhuma visão. O programa lê todo o conteúdo do monitor que é reproduzido em áudio. Para isso, foram também comprados fones de ouvido, de tal maneira que apenas o usuário ouve o conteúdo do material em que está trabalhando. Foi adquirida também uma impressora em Braille. 

Apesar de todos os setores contarem com impressoras corporativas, uma impressora de mesa foi disponibilizada a uma servidora com dificuldade de locomoção. O mesmo aconteceu com seis pessoas que precisavam contar com scanners em suas mesas, usados para digitalização de documentos, e outras seis que necessitavam de leitores de código de barra para inserir números de processos, evitando a necessidade de digitação. Esses equipamentos também dão celeridades nos feitos e evitam a Lesão por Esforço Repetitivo. Outros recursos como cinco telefones IP e dois microcomputadores especiais foram adquiridos para promover a acessibilidade dentro do TJDFT. 

A aquisição dos equipamentos atende à Recomendação nº 27 de CNJ que aconselha aos Tribunais para que “adotem medidas para a remoção de barreiras físicas, arquitetônicas, de comunicação e atitudinais a fim de promover o amplo e irrestrito acesso de pessoas com deficiência às suas respectivas carreiras e dependências e o efetivo gozo dos serviços que prestam” e sugere, entre outras coisas, a “aquisição de impressora em Braille, produção e manutenção do material de comunicação acessível”. 

Em 2009, antes mesmo da Recomendação 27, o TJDFT criou o Núcleo de Inclusão voltado especificamente para atender às necessidades dos servidores com deficiência e encaminhar suas demandas aos setores responsáveis.