Memorial do TJDFT expõe peças de artista plástico a partir de segunda-feira, 25/08

por VS — publicado 2014-08-18T16:00:00-03:00

exposicao nazzareno stanislauO Memorial do TJDFT – Espaço Desembargadora Lila Pimenta recebe de 25/08 a 05/09 a exposição "Movimentos e Recortes Urbanos" do artista plástico Nazzareno Stanislau-Messbeway. O artista vai expor de 28 a 35 peças: bustos pintados, ovo de avestruz, pintura em acrílico, desenhos, recortes de madeira e fotografia. O artista pretende com seu trabalho provocar uma reflexão no público trazendo o sonho e viagens interiores do fantástico.

A exposição “Movimentos e Recortes Urbanos” busca trazer o urbano em toda sua mística, contradições, desesperos e principalmente fantasias que as pessoas têm receio e até medo de explicitar e deixar ser percebido pelos outros. Movimentos, pois a cidade só existe no movimento, senão seria ruínas como de Roma e da Grécia, onde só vemos vida nos turistas circulando. E essa percepção se difere muito se a pessoa está de carro, de ônibus ou a pé. Para o artista, a cidade só é percebida globalmente por alguns especialistas da realidade urbana como historiadores, geógrafos, urbanistas, entre outros profissionais e o cidadão comum só percebe a cidade por seus recortes: conhece o seu bairro, o lugar do culto, do trabalho ou do lazer, assim cada um tem sua coleção de recortes que faz a sua própria globalidade.

Dedicado ao desenho e à fotografia desde o final dos anos 60, Nazzareno sempre cultivou em sua obra a visão estética aliada a interesses sociais, voltando-se como artista e como urbanista para a causa de cidades sustentáveis que revêm seu impacto sobre a natureza e o ser humano. No final dos anos 90, com a descoberta da cor, Nazzareno tornou mais sistemática sua produção artística iniciada com desenhos realizados concomitantemente à atividade de urbanista em seus cadernos de notas. O artista então começou a pintar formatos maiores em acrílico e óleo, sempre desenvolvendo padrões formais de compartimentação reforçados pela utilização plástica elementos temáticos. Esse modo intimista, cotidiano e orgânico de trabalhar questiona valores como técnicas, materiais e tradições da criação artística, remetendo às preocupações sociais e políticas que têm movido a atuação de Nazzareno como urbanista. Em estruturas análogas às do seu processo de pensamento, as implicações relativas à diferenciação entre categorias artísticas e dimensões de trabalhos passou a incorporar nos últimos anos as interferências gráficas e digitais em suas fotografias e os relevos articulados em médio e grandes formatos. O artista já expôs no Espaço Cultural do STJ e até em outros países como Portugal e Itália.

De 16h às 18h haverá um coquetel no local. O Memorial fica no 10º andar do bloco A, ala A, do Fórum de Brasília.