Acórdão Eletrônico do TJDFT é bem avaliado por usuários do sistema

por VS/AJ — publicado 2014-08-26T18:40:00-03:00

acordao eletronico pesquisaO novo sistema de Acórdão Eletrônico implantado pelo TJDFT foi avaliado como "melhor" ou "muito melhor" que o anterior por mais de 80% dos servidores e magistrados que participaram da pesquisa de satisfação realizada pela Secretaria Judiciária - SEJU, por meio da Subsecretaria de Apoio Judiciário - SUJUD, em julho deste ano. Os entrevistados declararam que em aspectos como agilidade, retificação de acórdão assinado, compartilhamento de documentos, ferramenta de gestão, sinalizadores e mensagens, revisão e assinatura de acórdãos, o novo módulo supera o anterior. Alguns aspectos como "edição" e "localização de documentos" foram avaliados em 60% melhor que o anterior.

Iniciada em 14 de julho, a pesquisa buscou avaliar entre os usuários o novo módulo de Acórdão Eletrônico, implantado em junho deste ano na 2ª Instância do Tribunal. A pesquisa avaliou 12 aspectos do novo sistema: Agilidade, Facilidade de Uso, Retificação de Acórdão Assinado, Cadastro de Documentos, Compartilhamento de Documentos, Edição de Documentos, Revisão de Notas Taquigráficas, Localização de Documentos, Ferramentas de Gestão, Sinalizadores e Mensagens, Revisão de Acórdãos e Assinatura de Acórdãos.

Durante a pesquisa, foram encaminhadas pelos usuários sugestões de melhorias do sistema. Essas sugestões foram encaminhadas à SUJUD, órgão responsável pela manutenção do sistema. Para verificar o grau de satisfação e a qualidade do novo sistema, a SEJU realizou a pesquisa direcionada somente aos servidores da 2ª Instância (das Turmas, Câmaras, Conselho Especial) que utilizam o sistema, bem como aos servidores dos gabinetes dos desembargadores.

O novo módulo foi desenvolvido em substituição ao Acórdão em Tempo Real – ATR, implantado no TJDFT em novembro de 2006. Em 2011, foi implementada a tramitação e revisão das notas taquigráficas eletronicamente, agilizando o trâmite processual entre os gabinetes dos desembargadores.

O novo programa trouxe uma série de novidades como uma plataforma mais amigável, tecnologia mais moderna, integração com a revisão das notas taquigráficas, ferramentas de gestão de trabalho, integração com sistemas de 1ª Instância, programa este mais adequado aos requisitos do Conselho Nacional de Justiça - CNJ, no que tange à utilização das Tabelas Processuais Unificadas.