CJM publica banco de dados com mais de 200 instituições da rede de proteção às mulheres

por GMS — publicado 2014-12-10T17:05:00-03:00

violencia contra a mulherO TJDFT, por meio do Centro Judiciário da Mulher – CJM, publicou nesta quarta-feira, 10/12, um banco de dados com instituições da rede de proteção às mulheres em situação de violência doméstica e familiar. A intenção é garantir mais agilidade aos encaminhamentos realizados e otimizar o tempo de atendimento, além  de disponibilizar informações relevantes a essas mulheres e seu grupo familiar. Ao todo, o documento conta com mais de 200 instituições do terceiro setor, públicas e privadas do Distrito Federal.

A publicação é organizada por ordem alfabética, de acordo com o nome das regiões administrativas. Entre as áreas de atuação contempladas no banco estão Direito, justiça, assistência social, saúde, segurança pública, violência, trabalho e previdência social. Em justiça, por exemplo, há informações dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e do Serviço de Assessoramento aos Juízos Criminais – SERAV/TJDFT.O interessado pode encontrar endereços, telefones gerais, atendimentos e horários de todas as instituições.

O CJM foi criado em setembro de 2012 e trabalha em três eixos: policial, judicial e comunitário. Atualmente, é coordenado pelo juiz titular do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher do Núcleo Bandeirante, Ben-Hur Viza, e pelo juiz titular do Primeiro Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da Circunscrição Judiciária de Ceilândia, Carlos Bismarck. Busca desenvolver ações e parcerias voltadas ao combate e à prevenção da violência doméstica e familiar contra a mulher.

Clique aqui para acessar a versão digital da publicação.