Mediadores de vários estados visitam o TJDFT

por NUPEMEC — publicado 2014-02-07T07:00:00-03:00

NUPEMEC- mediadores visitam TJDFTO Tribunal de Justiça do DF recebeu na tarde desta sexta-feira, 13/12, cerca de 30 alunos que participavam do Curso de Formação de Supervisores do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) nos dias 12 e 13/12. O curso foi oferecido para aproximadamente 100 pessoas, de todos os estados brasileiros, entre conciliadores, mediadores e interessados em se aprofundar nas técnicas de métodos autocompositivos para solução de conflitos.

O objetivo do curso foi aperfeiçoar o conhecimento dos mediadores e conciliadores a fim de que esses servidores desenvolvam suas competências com o foco na padronização dos serviços. Até o final de 2014, o CNJ pretende habilitar 21 mil pessoas em técnicas de resolução de conflitos de forma não litigiosa, conforme preconizado pela Resolução CNJ n. 125, que dispõe sobre a Política Nacional de Conciliação.

Durante as duas horas em que permaneceram no Núcleo Permanente de Mediação e Conciliação – NUPEMEC os alunos assistiram a uma explanação do Coordenador Administrativo do Núcleo, Marcelo Girade, e visitaram as instalações do Setor. Girade, com muita propriedade, falou sobre a dinâmica do sistema de conciliação desenvolvido pelo TJDFT.

Segundo ele, ao reformular o modelo de conciliação do TJDFT, que tem como pilar as Pautas Concentradas, Específicas e Diárias, o TJDFT buscou atender às resoluções nº 125/CNJ e nº 13/2012 do TJDFT. De acordo com Girade, esse novo formato busca estreitar a relação com as instituições parceiras. “Percebemos que é importante aperfeiçoar o relacionamento com as instituições demandantes, principalmente com os bancos. O TJDFT precisa trazer essas instituições para conciliar dentro do Tribunal, pois eles são os nossos grandes parceiros”, ressaltou.

Marcelo também vislumbrou que, no futuro, os tribunais terão estruturas físicas específicas destinadas à conciliação. “Creio que no futuro caminhamos para isso. Teremos estruturas físicas, prédios próprios destinados à mediação e à conciliação, onde as pessoas poderão se entender. Nos Juizados Especiais de Brasília, por exemplo, que fica no Fórum José Júlio Leal Fagundes, já funciona assim. Lá existe uma boa estrutura física e profissionais capacitados para a prática da conciliação e da mediação”, afirmou.

Girade disse também que é preciso tratar os conflitos de forma madura. “As pessoas precisam entender que é necessário ser protagonista da própria história, e não buscar uma resposta apenas assistencialista para o seu conflito, onde um terceiro resolve tudo. Precisamos nos repensar enquanto sociedade”, afirmou.

Ele também destacou que cada real investido em conciliação retorna em satisfação social. “Cada metro quadrado investido em conciliação é igual à redução de processos e à satisfação social. O Judiciário e a sociedade precisam entender isso”, finalizou.

O NUPEMEC trabalha com foco na formação e na qualificação dos mediadores. Entre as atividades desenvolvidas pelo Setor está a formação de instrutores, conciliadores, mediadores, supervisores e a certificação de conciliadores e mediadores. Os servidores passam por curso teórico e prático, estágio e certificação.

O Tribunal realiza conciliações durante todo o ano por meio do Núcleo Permanente de Mediação e Conciliação – NUPEMEC, do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania de Brasília – CEJUSC/BSB e do CEJUSC/JEC-BSB, vinculados à 2ª Vice-Presidência. O NUPEMEC é o responsável pela implantação e implementação da Política Judiciária Nacional de Tratamento Adequado dos Conflitos de Interesse no âmbito do TJDFT, conforme a Resolução 125 do CNJ.