Plano Estratégico e reflexões éticas são apresentados a gestores e servidores do TJDFT

por ACS — publicado 2015-06-19T13:00:00-03:00

Planejamento EstratégicoOlhar o presente e expandir o futuro. Esse é o slogan do Plano Estratégico 2015-2020 do TJDFT. Mas, para conquistar um futuro melhor, você deve ser a mudança que deseja ver no mundo. Essa foi a tônica da palestra “A Ética sob o Olhar da Filosofia”, promovida pela Escola de Administração Judiciária e proferida, nessa quinta-feira, 18/6, na sequência da apresentação do documento que irá nortear a gestão do Judiciário do DF nos próximos seis anos.

A Secretária de Planejamento e Gestão Estratégica do TJDFT, Liz Rauber, foi a responsável por apresentar o Plano Estratégico 2015-2020 – PE do Tribunal para um auditório repleto e atento. Ao explanar o PE, a Secretária falou sobre os objetivos estratégicos vinculados às perspectivas, temas e indicadores adotados para a mensuração das iniciativas que compõem o plano. Algumas dessas iniciativas, como o Plano de Logística Sustentável, o PJe, a Portaria de Lotação de Referência, o PDGCOMP e a Gestão do Clima Organizacional mereceram destaque.

A Secretária também afirmou que as iniciativas aprovadas mostram comprometimento com a 1ª Instância; lembrou que o plano é flexível – podendo sofrer ajustes ao longo de sua vigência. Por fim, agradeceu a todos que ajudaram a construí-lo e pediu apoio na divulgação de seu conteúdo, visando ao conhecimento e adesão de magistrados e servidores. 

Na sequência, a professora Lúcia Helena Galvão Maya levou a plateia a refletir sobre a necessidade de resgatar nossa essência humana para promover as mudanças necessárias, primeiro, em cada um de nós, e depois, no mundo. Ela falou sobre o esvaziamento do sentido das palavras, da compreensão da ética como um valor, discorreu sobre como, quando e por quê ser ético, e explicou os parâmetros (de coerção e convicção) utilizados para tanto. Por meio de exemplos e pequenas estórias, semeou o questionamento: Sou ético por princípio ou apenas para desfrutar de uma boa imagem perante a sociedade? E ainda: a ética é um mero pacto social ou é algo que verdadeiramente amamos e em que acreditamos? 

Valores, virtudes e sabedoria são o que caracteriza o ser humano e o distingue dos demais seres. A consciência humana é o nosso senso ético. Os avanços tecnológicos são importantes, mas não mais do que a evolução da essência humana, pois de nada valerá o primeiro, se caminhar em descompasso com o segundo. Por isso, precisamos resgatar o valor do ser humano dentro de nós para aprendermos a ser éticos e influenciar positivamente, em especial, aqueles a quem amamos.