VIJ/DF celebra o Dia Nacional da Adoção no Parque da Cidade

por NC/SECOM/VIJ-DF — publicado 2015-05-19T18:55:00-03:00

VIJ dia nacional da adoçãoDia 25 de maio é o Dia Nacional da Adoção. E para comemorar a data, a Vara da Infância e da Juventude do Distrito Federal – VIJ/DF estará no Parque da Cidade para esclarecer dúvidas e prestar informações sobre o tema às pessoas interessadas. O ônibus da Vara ficará no estacionamento em frente ao Parque Ana Lídia, das 10h às 16h.

Servidores da Seção de Colocação em Família Substituta da VIJ/DF estarão no local para receber e conversar com a comunidade. A Defensoria Pública também estará presente para prestar esclarecimentos jurídicos acerca do processo de adoção. Outros órgãos da rede de proteção infantojuvenil foram convidados a participar e apoiar a ação.

De acordo com o supervisor da área de adoção da VIJ/DF, Walter Gomes, o evento tem o objetivo de sensibilizar a sociedade para as questões que envolvem adoção de crianças e adolescentes. “É preciso esclarecer as pessoas a respeito do tema, para desfazer mitos e preconceitos que envolvem a adoção”, afirma.

A VIJ/DF colheu resultados animadores e impactantes no âmbito da adoção em 2014. Das 76 crianças e adolescentes cadastrados durante o ano, 71 foram acolhidos em adoção por famílias habilitadas, sendo 39 na faixa etária acima de 2 anos e pertencentes a grupos de irmãos. “Isso sinaliza o gradativo e surpreendente avanço das chamadas adoções tardias”, destaca Gomes.

Esses resultados positivos são fruto do curso de preparação psicossocial e jurídica ministrado pela VIJ/DF a todas as famílias que desejam se habilitar para adotar uma criança ou adolescente. Segundo Gomes, o curso, que se tornou obrigatório com a homologação da Lei 12.010/09, inaugurou uma nova página no panorama da adoção em todo o Brasil.

“Quanto mais refinada, qualificada e contextualizada for a preparação psicossocial e jurídica para adoção, maior será a possibilidade de as famílias se mobilizarem para se entregar às adoções tardias, de grupos de irmãos e inter-raciais”, diz o supervisor da VIJ/DF. Essa preparação é indispensável para a construção de sólidos vínculos de parentalidade afetiva entre adotandos e adotantes.

“As famílias são sensibilizadas, preparadas e empoderadas para participar de um audacioso e afetivo projeto de adoção, no qual os interesses particulares são postos em segundo plano, ao passo que os direitos, necessidades e carências de crianças e adolescentes privados do convívio familiar são priorizados”, destaca Gomes.

Números

No DF, há 476 famílias habilitadas e 89 crianças e adolescentes cadastrados para adoção.