Rede Solidária 10 anos: projeto leva arte e riso a crianças acolhidas

por SECOM/VIJ/DF — publicado 2016-10-06T11:55:00-03:00

Anjos do AmanhãNo seu decenário, programa de voluntariado da Vara da Infância e da Juventude do DF destaca atuação de um voluntário do ramo cultural que buscou patrocínio público para levar alegria e entretenimento a crianças acolhidas

A Rede Solidária Anjos do Amanhã, programa de voluntariado da Vara da Infância e da Juventude (VIJ/DF), completou, no dia 21 de setembro, 10 anos. Como parte das comemorações pelo decenário, que incluem uma solenidade de homenagem a voluntários e o lançamento de um livro com a trajetória do programa, no dia 20 de outubro, serão publicadas matérias com a abordagem do papel do voluntário, do beneficiário e da própria Rede como a ponte que liga os recursos voluntários e as necessidades das crianças e dos adolescentes assistidos pela VIJ/DF.

Na matéria desta semana, vamos falar do voluntário Josias Wanzeller da Silva, integrante do grupo Mamulengo Alegria, que, juntamente com outros artistas da cidade, aprovou, na Secretaria de Cultura do DF, um projeto com o objetivo de realizar apresentações do espetáculo “O Casamento de Chiquinha Muito Prazer com João Sem Sorte” para um público muito especial: crianças e adolescentes de 14 entidades de acolhimento do DF (antigos abrigos).

O espetáculo, patrocinado pelo Fundo de Apoio à Cultura do DF (FAC/DF) e com o apoio da Rede Solidária Anjos do Amanhã, tem a participação de Wanzeller e Carla Menezes no elenco; Marco Augusto na produção executiva; Diane Siqueira e Gilmar Martins como assistentes de produção; Geraldo Magela Mello e Fernando Rodrigues como músicos; e Assis Medeiros como compositor das músicas.

Todos esses profissionais, por amor à arte e à infância, participaram da concepção desse projeto que almeja a inclusão cultural de crianças e adolescentes acolhidos. Segundo Flávia Fonteles, supervisora do Anjos do Amanhã, a Rede não mede esforços para estreitar parcerias com o objetivo de levar entretenimento, lazer e diversão a esses meninos em situação de vulnerabilidade social.

Para Josias Wanzeller, a motivação para buscar patrocínio público e levar cultura a entidades de acolhimento do DF vem da sua história com a adoção e com crianças acolhidas. “Pela minha experiência com a adoção, sei que algumas crianças e adolescentes institucionalizados serão adotados e muitos permanecerão lá”, diz, afirmando que uma criança de uma das entidades visitadas fez o seguinte comentário após uma apresentação: “nunca recebi momentos tão alegres aqui”, finalizou.

Além das 14 entidades de acolhimento beneficiadas, outras 11 instituições do DF vão receber o espetáculo, contabilizando 25 no total. A atração conta, com muito humor, as dificuldades enfrentadas por um casal até chegar ao altar: desaprovação dos pais porque o pretendente não tem dinheiro, entre outros obstáculos. O espetáculo tem ainda cenas inusitadas e mágicas, como a cobra que engole “meio mundo de gente”.

Para Wanzeller, o mais gratificante desse projeto é poder oferecer aos meninos acolhidos cultura e diversão, momentos raros na vida deles, tendo em vista dificuldades financeiras, logística e falta de oportunidades lúdico-culturais. “Raramente momentos como esse são oferecidos para essas crianças e adolescentes”, diz.

As apresentações tiveram início no dia 5 de setembro e vão até o final de outubro, aumentando a possibilidade de um público tradicionalmente excluído da cena cultural de Brasília ter acesso às artes cênicas. “O grupo pretende percorrer instituições que trabalham com crianças em situação de vulnerabilidade social, contribuindo com a socialização, a integração e a formação cultural dos atendidos por essas instituições", assegura Wanzeller.

O espetáculo, com viés popular e que prioriza a praticidade em sua estrutura de encenação, permite apresentações em espaços alternativos (pátios, salas comunitárias, bibliotecas). A cenografia é desmontável, possibilitando levar às comunidades do DF a arte do teatro popular de bonecos, o Mamulengo, uma arte tradicional da cultura popular brasileira, reconhecida pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN como patrimônio imaterial brasileiro. Segundo Josias, essa ação, patrocinada pelo FAC, pode ser a primeira de muitas outras que poderão ser oferecidas aos meninos institucionalizados para levar momentos de alegria e cultura.

A Rede Solidária Anjos do Amanhã é a ponte que liga os recursos voluntários e as necessidades das crianças e dos adolescentes assistidos pela VIJ/DF, mostrando que pessoas podem fazer o bem doando roupas; podem fazer o bem oferecendo uma oportunidade de trabalho; podem fazer o bem doando cultura e transportando esses meninos para o universo dos sonhos, no qual é possível ser feliz de verdade, nem que seja por apenas algumas horas.

Veja, abaixo, as entidades de acolhimento beneficiadas:

Aldeias Infantis SOS Brasil, Ampare, Casa da Criança Batuíra, Lar Infantil Bezerra de Menezes, Casa das Meninas dos Olhos de Deus, Casa de Ismael, Casa do Caminho, Casa Transitória de Brasília, Grupo Luz e Cura, Lar de São José, Lar Infantil Chico Xavier, Nosso Lar – Sociedade Cristã, Vila do Pequenino Jesus, Obras Sociais do Centro Espírita Irmão Áureo. Além dessas entidades, as apresentações acontecerão em outras instituições em Ceilândia, Gama, Planaltina, Samambaia, Santa Maria, Sobradinho e Taguatinga, e, em todos os espetáculos, haverá intérpretes da Língua Brasileira de Sinais.

Sobre o voluntário

Josias Wanzeller da Silva é brasiliense e servidor da Secretaria Especial de Editoração e Publicações do Senado Federal. Artista plástico com pós-graduação em Arte e Educação pela Faculdade de Educação da UnB. Especialista na restauração de livros (premiado com a restauração dos primeiros quadrinhos brasileiros "As aventuras de Nhô Quim & Zé Caipora" e com a revista O Tico-Tico). Há quase 20 anos, ele emociona crianças e adultos com o trabalho desenvolvido pela sua Companhia de Teatro de Bonecos, "Mamulengo Alegria".

Sobre a Rede Solidária

A Rede Solidária Anjos do Amanhã é um programa de voluntariado da VIJ/DF, cujas ações são voltadas às crianças e aos adolescentes atendidos pela Justiça Infantojuvenil do DF, às suas famílias e às entidades a que estejam vinculados, como instituições de acolhimento, unidades socioeducativas, creches e projetos sociais.

Em uma década, o Anjos se orgulha de ter promovido inúmeras campanhas e ações solidárias voltadas para ajudar o público assistido pela VIJ/DF, com sucesso em todas elas. A Rede Solidária é a ponte que une o recurso voluntário com as necessidades das crianças e dos adolescentes jurisdicionados.

Para ser um voluntário, entre em contato com a Rede Solidária nos telefones 3103-3382 e 3103-3285 ou pelo site http://www.tjdft.jus.br/acesso-rapido/acoes/anjos.