Acusado pela morte do parente de candidato a governador pega mais de 21 anos de prisão

por AF — publicado 2017-02-21T17:04:00-03:00

O Tribunal do Júri de Brasília condenou Athos Tavares de Aguiar a 21 anos e sete meses de reclusão, em regime inicial fechado, pela morte de Victor Barbosa Gaze Sobral, sobrinho bisneto do candidato ao governo do Distrito Federal, em 2014, Jofran Frejat. Victor foi morto com um tiro no peito, quando chegava a uma festa no Setor de Clubes Sul, em Brasília. Além dessa pena, o réu foi condenado a mais 7 meses de detenção por porte ilegal de arma de fogo.

Athos Tavares de Aguiar, juntamente com Pedro Henrique de Castro e Robert da Silva Gadelha, foi acusado de fazer vários disparos de arma de fogo contra o desafeto Guilherme da Costa Coelho, que estava no mesmo local que Victor. Além de atingir o alvo, o réu também feriu Daniel de Souza Pinto Moreira. Victor Sobral foi a única vítima fatal. Os réus Pedro Henrique e Robert Gadelha já haviam sido julgados e também condenados.

O julgamento aconteceu nessa segunda-feira, 20/2/2017. Durante a sessão, o MPDFT, autor da denúncia, sustentou a acusação na íntegra e pediu a condenação do réu por homicídio qualificado e tentativa de homicídio qualificado, por duas vezes (art. 121, § 2º, I e IV e art. 121, § 2º, I e IV, c.c. art. 14, II (duas vezes),  

A defesa, por seu turno, sustentou a tese de que as provas não seriam suficientes para afirmar que o acusado foi o autor dos disparos narrados na denúncia, afirmando, ainda, que, se o réu em algum momento ingressou no veículo, o fez em momento posterior aos fatos. Assim, pleiteou a absolvição do acusado por insuficiência de provas em relação à autoria delitiva.

Reunidos na Sala Secreta, os jurados votaram afirmativamente aos quesitos relativos à autoria e à materialidade do crime, considerando o réu culpado, nos termos propostos pelo órgão ministerial.

Athos respondeu ao processo preso e não terá direito a recorrer da sentença em liberdade.

Processo: 2014.01.1.149136-3