Central do Idoso disponibiliza 3ª edição do Mapa da Violência Contra a Pessoa Idosa

por ASP — publicado 2017-10-31T19:35:00-03:00

Clique aqui e conheça a 3ª edição do Mapa da Violência da Pessoa Idosa

Foto da juíza, promotora e defensora pública na mesa de abertura do eventoA Central Judicial do Idoso realizou, na tarde desta terça-feira, 31/10, cerimônia de encerramento da programação do Mês do Idoso. Na ocasião, foi comemorado os dez anos da Central e a 3ª Edição do Mapa da Violência contra a Pessoa  Idosa foi disponibilizada. O Evento aconteceu no auditório Sepúlveda Pertence e contou com a presença das coordenadoras da Central do Idoso, representantes do TJDFT, MPDFT e Defensoria Pública, entidades de defesa e proteção a pessoas com mais de 60 anos, servidores da Casa e outros. A solenidade foi prestigiada com a presença de vários idosos.

Para a abertura do evento, a Mesa foi composta pela juíza assistente da 2ª Vice-Presidência, Luciana Yuki, representando o 2º Vice-Presidente, desembargador J. J. Costa Carvalho, neste ato representando o Presidente do TJDFT, desembargador Mario Machado; pelo Procurador-Geral Leonardo Bessa; pelo juiz assistente da Corregedoria Caio Brucóli, representando o Corregedor do TJDFT, desembargador Cruz Macedo; pela Defensora Pública-Geral em exercício do DF, Karla Núbia do Couto, e pelas coordenadoras da Central Judicial do Idoso, juíza Monize da Silva Freitas Marques, promotora Sandra de Oliveira Julião e Defensora Pública Márcia Domingos e Sá.

Na cerimônia desta tarde, foi aprefoto do auditório com as pessoas sentadas assistindo à palestrasentado, pela juíza do TJDFT Monize Freitas, um vídeo sobre os 10 anos da Central Judicial do Idoso; a defensora pública do DF, Márcia Domingos, apresentou os dados da 3ª edição do Mapa da Violência contra a Pessoa Idosa no Distrito Federal; o advogado e coordenador geral de gestão de Direitos Humanos do Disque 100, Dr. Fabiano de Sousa Lima, apresentou dados do Disque 100 - Módulo idoso; e, por fim, o professor Vicente Faleiros, da Universidade Católica de Brasília, palestrou sobre "As representações sociais da velhice".

De acordo com os dados do Mapa, os resultados obtidos com a presente pesquisa reforçam a constatação de que a mulher idosa, na faixa dos 60 a 69 anos, é a principal vítima de violência e o filho, seu maior agressor, seguido de outros parentes, netos e companheiros. Além disso, os dados mostram que os idosos vêm sofrendo violência em seus domicílios e fora deles, revelando a gravidade do problema e a necessidade premente da intervenção do Estado e da sociedade.

O Mapa apresenta também os tipos de violência praticados contra a pessoa idosa: ficando em primeiro lugar a violência psicológica, seguida da negligência, violência financeira, física, abandono, dentre outras.

As considerações finais do Mapa da Violência contra a Pessoa Idosa traz as palavras da Defensora Pública Márcia Domingos: "Do ponto de vista social, o antídoto da violência é a capacidade que a sociedade tem de incluir, ampliar e universalizar os direitos e os deveres de cidadania. No que tange ao âmbito pessoal, a não violência pressupõe o reconhecimento da humanidade e da cidadania do outro, o desenvolvimento de valores de paz, de solidariedade, de convivência, de tolerância, de capacidade de negociação e de solução de conflitos pela discussão e pelo diálogo".

Em comemoração ao Dia Nacional e Internacional da Pessoa Idosa, celebrado em 1º de outubro, a Central Judicial do Idoso promoveu, de 10 a 31/10, o Mês da Pessoa Idosa, com o intuito de trazer informações úteis para as pessoas com 60 anos ou mais, promover reflexão jurídica acerca do tema envelhecimento, estimular o debate sobre a velhice e conscientizar a sociedade acerca da violência contra o idoso. Ao longo do mês, uma programação de eventos foi pensada para celebrar a data.

No dia 10 de outubro, foi ministrada, em parceria com o Programa Superendividados do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e de Cidadania - CEJUSC-SUPER do TJDFT, a palestra “Educação Financeira e Qualidade de Vida”. O evento foi voltado, exclusivamente, para pessoas com 60 anos ou mais.

O encontro sobre educação financeira foi conduzido na forma de exposição dialogada por meio da apresentação de slides, vídeos e dinâmicas de grupo. O objetivo é que, ao final da ação educacional, o participante seja capaz de compreender a relação entre consumo, poupança e crédito, avaliando opções para administração de seus recursos financeiros de maneira consciente (gestão sustentável), além de identificar alternativas de resolução amigável de conflitos financeiros.

“O Envelhecimento como Direito Personalíssimo” foi abordado pela palestrante Maria Aglaé Tedesco Vilardo, juíza do direito do TJRJ, no dia 16/10, das 9h às 12h, no Auditório Andrelino Bento Santos Filho, que fica na sede do MPDFT. A palestrante é doutora em Bioética e Presidente do Fórum Permanente de Biodireito, Bioética e Gerontologia da Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro - EMERJ. 

No dia 24/10, teve lugar a audiência pública que discutiu o tema “Política de Cuidados com a Pessoa Idosa”, no auditório do MPDFT, das 13h às 18h.

Para encerrar a programação do Mês do Idoso, foi lançado nesta terça-feira, 31/10, o Mapa da Violência contra a Pessoa Idosa do Distrito Federal – 3ª edição.

A Central Judicial do Idoso é um projeto pioneiro do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios e da Defensoria Pública do Distrito Federal. Atua no acolhimento aos idosos do DF que têm seus direitos ameaçados ou violados e que necessitam de orientação na esfera da Justiça. A Central funciona no 4º andar do bloco B do Fórum de Brasília e atende aos idosos das 12h às 18h. O telefone de contato é 3103-7609.

Para conhecer as duas edições anteriores do Mapa da Violência contra a Pessoa Idosa no Distrito Federal, clique aqui.