Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Poder Judiciário da UniãoTribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios

Navegação

Ferramentas Pessoais
Principal Institucional Imprensa Notícias 2018 Fevereiro Transportadora deverá indenizar prejuízos materiais por atraso na entrega de mudança

Transportadora deverá indenizar prejuízos materiais por atraso na entrega de mudança

por SS — publicado em 09/02/2018 15:55

Juíza titular do 5º Juizado Especial Cível de Brasília condenou uma empresa de transportes e sua representante a restituírem ao autor o valor de R$3.710,15, referente aos prejuízos sofridos por ele em razão do atraso na entrega de uma mudança contratada junto à empresa. A magistrada, no entanto, julgou improcedentes os pedidos de indenização por lucros cessantes e danos morais.

De acordo com os autos, as partes haviam celebrado contrato de serviços de mudança de Paramaribo, Suriname, para Brasília. A empresa ré coletou móveis e demais pertences do autor na data de 9/5/2017, permanecendo com os itens em depósito por aproximadamente 80 dias, sem efetivar a entrega – o que evidenciou a falha na prestação do serviço.

O prejuízo material do autor foi comprovado por meio de cupons fiscais juntados no processo relatando a aquisição de itens emergenciais como eletrodomésticos, utensílios domésticos, móveis, roupas de cama e banho, uniforme de trabalho – totalizando os R$3.710,15, que deverão ser ressarcidos pelas rés. No entanto, a juíza constatou que o autor não juntou qualquer documento que apontasse o prejuízo financeiro de R$1 mil que havia pleiteado a título de lucros cessantes.

Por último, a magistrada asseverou que o pedido de compensação por danos morais não se aplica a toda e qualquer insatisfação: “Dano moral se destina a recompor a lesão aos direitos personalíssimos, obviamente aí incluídos atos que vilipendiem a dignidade da pessoa. O inadimplemento contratual não é passível de gerar esse dano”. A juíza considerou que embora a situação vivida pelo autor possa causar aborrecimento e transtorno, não chega a ocasionar uma inquietação que fuja da normalidade, a ponto de configurar lesão a qualquer direito da personalidade – e que, portanto, não se justifica a pretendida reparação a título de dano moral.

Cabe recurso da sentença.

Processo Judicial eletrônico (PJe): 0743466-90.2017.8.07.0016

 

ícone twitter  ícone facebook  Enviar notícia por WhatsApp