VIJ-DF participa do 1º Simpósio Odontológico sobre Maus-Tratos Infantis do UDF

por JAA/SECOM/VIJ-DF — publicado 2018-11-29T17:35:00-03:00

A Vara da Infância e da Juventude (VIJ-DF) participou, nesta quarta-feira, 28/11, do 1º Simpósio Odontológico sobre Maus-Tratos Infantis do Centro Universitário do Distrito Federal (UDF), com uma palestra apresentada pela assistente social Vânia Sibylla Pires, supervisora da Seção de Fiscalização, Orientação e Acompanhamento de Entidades, sobre a importância da humanização do atendimento das crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade.

Em sua palestra, ela falou sobre a existência de uma rede de acolhimento e atendimento de crianças e adolescentes que tem obtido excelentes resultados, e ressaltou a importância de o profissional de saúde estar atento aos sinais que podem apontar para maus-tratos ou abusos cometidos contra a criança ou adolescente. “Caso o profissional de saúde tenha essa percepção, deve acionar a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente ou o Conselho Tutelar, que irão investigar o que está acontecendo”, orientou.

Vânia alertou que as vítimas de abuso e maus-tratos precisam ser tratadas com muito cuidado, atenção e carinho. Atualmente, segundo ela, é importante estar atento para o fato de que o tráfico de drogas tem se mostrado muito presente nas escolas e algumas vezes até vem desempenhando papéis que são da responsabilidade do Estado.

O Simpósio teve como principal objetivo apresentar para os estudantes de Odontologia do UDF as formas de identificação de crianças e adolescentes que possam estar sendo vítimas de maus-tratos ou abusos. Também teve como objetivo incentivar o atendimento das crianças e adolescentes que já se encontram em instituições de acolhimento. A VIJ-DF foi elogiada durante o evento por ter aberto um espaço importante para a atividade de voluntários que queiram auxiliar no atendimento das crianças institucionalizadas.

Além da VIJ-DF, apresentaram palestras representantes da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente, do Instituto Médico Legal e da Casa da Criança Batuíra. Eles falaram sobre como conduzir uma entrevista de investigação com vítimas de abusos e maus-tratos; como identificar lesões decorrentes de maus-tratos; e como é feito o acolhimento dessas vítimas.