Pleno do TJDFT presta homenagem ao desembargador Flavio Rostirola

por AB — publicado 2019-04-03T11:55:00-03:00

Sessão solene homenageia des. RostirolaO Pleno do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios realizou, nesta terça-feira, 2/4, sessão especial em homenagem ao desembargador Flávio Renato Jaquet Rostirola, falecido no último dia 15 de março, após o que o Tribunal decretou luto oficial por três dias (Portaria GPR 512/2019).

Em uma sala lotada, o desembargador José Cruz Macedo foi o encarregado de discursar para a plateia e rememorar alguns feitos do homenageado, enaltecendo o homem e o magistrado “amigo e guerreiro”, que “vestiu a toga com orgulho e honrou o TJDFT”.

O desembargador Cruz Macedo iniciou lembrando que há 13 anos, em 29/04/05, também ele fora designado para saudar o ora homenageado que, vindo da OAB/DF pelo quinto constitucional, tomava posse naquela ocasião no cargo de desembargador do TJDFT.

Firme, impetuoso, franco, de sangue forte (típico da descendência italiana), “era um apaixonado pela vida e por ela lutou até fim”, enfrentando bravamente a doença que o consumiu ao longo dos últimos dos anos. De advogado combativo a juiz célere, se destacou ainda pelo raciocínio rápido e boa oratória.

Desembargador Flavio RostirolaTalentoso e surpreendente, nutria profunda admiração pelo Papa Francisco – a quem encaminhou uma imagem de Nossa Senhora com o Menino Jesus – e por Luís Carlos Prestes, sentindo-se extremamente honrado quando, em agosto de 2018, ganhou assento na Academia Brasileira de Ciências, Artes, História e Literatura (Abrasci), assumindo a titularidade da cadeira capitaneada pelo líder comunista.

O Tribunal era sua casa. E sua dedicação a projetos como o Cidadania e Justiça na Escola e o Processo Judicial Eletrônico, cujo comitê presidiu com afinco e determinação, foram tão marcantes quanto sua atuação e convivência diária junto à equipe do seu gabinete, que também lhe rendeu emocionada homenagem em texto lido durante a sessão.

Na ocasião, a Procuradora-Geral do MPDFT, Fabiana Costa, e a Vice-Presidente da OAB/DF, Cristiane Damasceno, também fizeram uso da palavra para homenagear o magistrado, ressaltando sua atuação ao abraçar a iniciativa de modernização do Judiciário, buscar maior aproximação da Justiça com a sociedade e humanizar a atuação judiciária, tornando-se mesmo um exemplo de coragem e fé. “Vestiu a toga com a alma e o coração” e “representou com excelência esta Casa.

E então, ele partiu. Partiu rumo a uma Viagem para as Estrelas, como dizia o acróstico escrito pelo Presidente do TJDFT, desembargador Romão C. Oliveira, especialmente para o amigo, em virtude de seu “passamento” - texto também partilhado com os presentes.

Ao concluir sua fala, o desembargador Cruz Macedo brindou a plateia com o antológico texto de Santo Agostinho, A morte não é nada, deixando, por fim, sua mensagem.

Fotos: Daniel Coelho - NBastian/Divulgação TJDFT e Arquivo