TJDFT reduz consumo e economiza R$ 2,7 milhões em 2018

por CS — publicado 2019-06-05T10:15:00-03:00

FACE-Dia-Mundial-do-meio-ambiente.jpgNesta quarta-feira, 5/6, Dia Mundial do Meio Ambiente, o TJDFT comemora quatro anos da criação do Plano de Logística Sustentável – PLS, ferramenta utilizada para traçar metas e medir os indicadores anuais relacionados ao custeio da máquina administrativa. 

Segundo dados do último Relatório de Desempenho de Metas, referente ao ano de 2018, o Tribunal conseguiu economizar mais de R$ 2.743 milhões por meio da adoção de medidas de redução de gastos com água, energia, papel, impressão e contratos terceirizados, entre outros.

Os referidos dados são monitorados mensalmente, juntamente com outras informações, referentes a aspectos sociais e ambientais, como, por exemplo, qualidade de vida, inclusão e coleta seletiva. O PLS do Tribunal é referência de modelo de gestão de recursos para outros órgãos públicos e tem sido destaque em diversos eventos sobre o tema. 

Segundo a coordenadora de Gestão Socioambiental – COGESA, o Tribunal celebra a data por meio das boas práticas de responsabilidade socioambiental, aplicadas pelos magistrados e servidores do órgão. “A nossa visão é do consumo racional, voltado às reais necessidades do órgão, a fim de evitar desperdícios, e assim, impactar cada vez menos a natureza e preservar os recursos para as gerações futuras”, afirma. 

Somente em 2018, foram encaminhados para reciclagem mais de 242 toneladas de papel, 2,3 toneladas de metais e 7,8 toneladas de material plástico, entre outros. O Tribunal tem fomentado o descarte correto dos resíduos produzidos nas atividades de trabalho desde 2009.

Com relação à energia elétrica, em 2018, o consumo foi 6,2% menor que no ano anterior, quantidade de energia suficiente para abastecer 7.570 casas com quatro moradores, por um mês. A redução no consumo de água foi ainda maior, 11% a menos entre 2017 e 2018, valor suficiente para suprir as necessidades básicas diárias de 28 mil famílias com as mesmas quatro pessoas.

Ações sustentáveis

Entre as ações implementadas pelo TJDFT podemos destacar a substituição de lâmpadas para modelos mais eficientes e econômicos; o reuso de águas pluviais no Fórum Verde, primeiro prédio sustentável do Judiciário brasileiro; um novo modelo de mobilidade urbana - o aplicativo de transporte MOBjus, adotado em 2018 para deslocamento de servidores; e a restauração de mobiliário para evitar novas aquisições.

Para a coordenadora da COGESA, um dos pilares do movimento sustentável é o ser humano integrado ao seu meio. Os servidores, como parte fundamental desse processo, são convidados e incentivados a mudar de comportamento, por meio de campanhas de consumo consciente, como a de aderir ao uso de canecas ao invés de um copo descartável.

Os  magistrados, servidores e estagiários são incentivados ainda a imprimir com moderação e a reutilizar o rascunho; a desligar os monitores dos computadores ao sair do ambiente de trabalho; a aproveitar a luz solar e a ventilação natural das janelas para poupar energia elétrica.

Como incentivo à pratica de melhores hábitos de vida e saúde, foi implantado, em outubro do ano passado, o bicicletário interno com vestiário e 40 vagas para servidores.  Ações de inclusão de deficientes e o Programa de Qualidade de Vida no Trabalho do TJDFT – Pró-Vida buscam também conscientizar os corpo de funcionários sobre cuidados com saúde preventiva.

Ponto de equilíbrio

Os resultados ao longo dos anos na área de responsabilidade socioambiental têm refletido o empenho do trabalho realizado de forma conjunta e participativa pelos gestores das unidades administrativas e dos contratos, que têm indicadores no PLS.

O monitoramento do plano é realizado pela COGESA, em parceria com a Secretaria de Planejamento e Gestão Estratégica – SEPG. As metas e ações, sugeridas pelos gestores das unidades responsáveis, são validadas pelo Comitê Gestor do PLS, coordenado pela Secretaria-Geral do TJDFT e composto pelas unidades indicadas pela Portaria GPR 1006/2015. 

O grande objetivo da ferramenta de apoio à gestão é o alcance do "ponto de equilíbrio", isto é, o consumo e gasto de acordo com a real necessidade, com foco na execução da missão do órgão e na redução/eliminação de potenciais desperdícios. Outro ponto positivo é a conjugação com o Plano Estratégico 2015-2020 e o Plano de Governança de Contratação, que utiliza os insumos do PLS nas análises sistêmicas das demandas de contratação da Casa.

Para saber sobre as ações de responsabilidade socioambiental do TJDFT, acesse a página do programa Viver Direito.

 

Leia também

Presidente do TJDFT publica texto poético alusivo ao Dia Mundial do Meio Ambiente