Juiz do TJDFT fala ao Correio Braziliense sobre prevenção ao feminicídio

por ACS — publicado 2019-05-06T14:12:00-03:00

Correio FeminicídioO jornal Correio Braziliense publicou em sua edição de domingo, 5/5, reportagem sobre a efetividade dos julgamentos de feminicídio na cidade, que contou com a participação do juiz João Marcos Guimarães Silva, titular da Vara do Tribunal do Júri de Taguatinga. Intitulada “Todos os feminicídios já julgados no DF resultaram em condenações”, a matéria trata da investigação e julgamento de crimes desse tipo e da importância da educação no combate à violência doméstica. Clique aqui para ler a matéria.

A matéria destaca que os crimes de feminicídio são julgados no âmbito das varas do Tribunal do Júri e um processo leva de quatro a cinco meses até a condenação do acusado. De acordo com o juiz João Marcos Guimarães Silva, ouvido pela reportagem, o tempo de tramitação é rápido e a taxa de condenação dos réus é bastante alta. “Em casos de homicídio, você já tem a materialidade do fato. Se houver autoria, a não ser que seja algo justificado, como uma legítima defesa claríssima, é difícil haver absolvição”.

O magistrado do TJDFT ainda falou das Varas de Violência Doméstica do e do trabalho que desenvolvem para evitar novos casos de feminicídio, assim como das medidas protetivas usadas nesses casos. “O trabalho nas varas de Violência Doméstica é rápido e tem medidas protetivas eficazes”, afirmou.