Juízes do TJDFT falam sobre violência contra a mulher em roda de diálogo em Taguatinga

por CS — publicado 2019-11-27T10:30:00-03:00

dialogos.pngDando continuidade à programação da 15ª Semana Nacional da Justiça pela Paz em Casa, o juiz Ben-Hur Viza, titular do Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher do Núcleo Bandeirante, e a juíza Luciana Lopes Rocha, titular do JVDFCM de Taguatinga, ambos coordenadores do Núcleo Judiciário da Mulher – NJM, participaram na manhã dessa terça-feira, 26/11, de uma roda de diálogo promovida pela Secretaria de Estado de Justiça e Cidadania do Distrito Federal – Sejus/DF.

O evento intitulado Avanços e desafios da política de prevenção, enfrentamento e atendimento às mulheres vítimas de violência no Distrito Federal e a importância da perspectiva educacional da Lei Maria da Penha aconteceu na Administração Regional de Taguatinga, em alusão à Lei Distrital 6.325, promulgada em julho deste ano, que institui a 'Semana Maria da Penha' nas unidades de educação da capital.

Os convidados foram chamados a aprofundar o diálogo sobre os avanços e desafios das políticas de atenção à mulher no DF, sobretudo a importância do aspecto educacional da referida lei, além de ampliar os espaços de debate e conscientizar a comunidade escolar sobre a necessidade de denunciar os casos de violência.

Mesa1.pngDe acordo com o magistrado do TJDFT, uma pesquisa da Secretaria de Segurança Pública do DF apontou que o sentimento de posse do homem em relação à mulher e o ciúme são os dois principais motivos alegados pelos autores de feminicídio para tirar a vida de suas vítimas. Na visão do juiz, “somente essa parceria entre agentes do judiciário e da educação, além de outros segmentos do governo e da sociedade, pode criar uma possibilidade de esperança de um futuro no qual a mulher possa viver sem as consequências nefastas do machismo”.

Como exemplo, citou o trabalho realizado pelo Maria da Penha Vai à Escola – um projeto criado pelo NJM/TJDFT em parceria com diversos órgãos da Administração Pública do DF, Defensoria Pública local, MPDFT, Polícia Militar, Polícia Civil, UnB e Uniceub –, que tem propiciado a formação de profissionais de educação, que atuam diretamente com os alunos da rede de ensino do Distrito Federal, e têm recebido orientações quanto à oitiva de uma criança ou adolescente, uma escuta não revitimizadora e os encaminhamentos que cada fato deve ter.

As ações da 15ª edição da Semana da Paz em Casa continuam até a próxima sexta-feira, 29/11.

Fotos: Daniel Coelho - NBastian/Divulgação TJDFT