TJDFT avança com PJe na esfera criminal e restringe medidas em meio físico

por ACS — publicado 2020-07-10T10:44:00-03:00

FACE-PJe.jpgA partir do próximo dia 15/7, os Serviços de Distribuição e as Varas de natureza criminal da Justiça do Distrito Federal estão autorizados a recusar o recebimento de Medidas Cautelares Sigilosas encaminhadas em meio físico, visto que o TJDFT passará a receber os mencionados feitos em meio eletrônico (PJe). 

A decisão, tomada pela Corregedoria da Justiça do DF, em conjunto com o Comitê do Processo Judicial Eletrônico – PJe do TJDFT e apoio da Polícia Civil do DF, objetiva realizar a inserção de todos os procedimentos judiciais integralmente em meio digital, diante do grave momento da pandemia da COVID-19, considerando a necessidade urgente de proteção à vida, saúde e integridade física de todos os Magistrados, Servidores, jurisdicionados e membros dos demais órgãos e instituições do Sistema de Justiça.

A efetiva liberação das Classes Processuais Sigilosas no PJe ocorreu no dia 29/6. Neste contexto, a Coordenadoria de Sistemas e de Estatísticas da Primeira Instância – COSIST se colocou e permanece à disposição das áreas técnicas da PCDF e do MPDFT para auxiliar na busca de soluções de todas as demandas pendentes.

O TJDFT iniciou a implantação gradual do Processo Judicial eletrônico em 2014, tendo implementado os módulos correspondentes à esfera criminal em 2019, quando o projeto desenvolvido em parceria com o CNJ conseguiu atender as particularidades dessa área. Hoje, com quase a totalidade de seus feitos digitalizados e inseridos no meio eletrônico, o TJDFT entende que a tramitação de autos em meio físico deve ser superada, a fim de que a Justiça ingresse definitivamente na era da modernidade, com a entrega da prestação jurisdicional cada vez mais célere, eficiente e segura.