Júri condena irmãos por homicídio triplamente qualificado

por ASP — publicado 2020-03-04T08:30:00-03:00

O Tribunal do Júri de Águas Claras condenou os irmãos Reginaldo Augusto de Laura e Vagner Augusto de Laura, respectivamente, às penas de 27 anos e 12 anos e seis meses de reclusão, ambos em regime inicial fechado, pela prática do crime homicídio triplamente qualificado cometido contra Maria da Paz Bruno da Silva.

De acordo com os autos, o crime ocorreu na noite do dia 15 de fevereiro de 2018, na região do Areal, em Águas Claras, motivado pela desconfiança de Reginaldo e Vagner de que Maria da Paz teria colaborado com uma suposta armadilha (“casinha”) para matar Vagner, feita por desafetos de Reginaldo.

Segundo ainda consta nos autos, sob as ordens dos irmãos, um comparsa atraiu a vítima até a região em que os réus residiam, sob o pretexto de consumirem drogas, já com o intuito de vingarem a suposta “casinha” armada por Maria da Paz. Desconfiada, a vítima fugiu, porém foi localizada nas proximidades pelos três rapazes, que a agrediram, espancaram e desferiram golpes com um instrumento semelhante a um facão.

Para o Ministério Público, o crime foi cometido por motivo torpe, decorrente de vingança; com emprego de meio cruel, pois a vítima foi brutalmente espancada pelos três homens, arrastada de joelhos pela via pública e golpeada com instrumento contundente; e com uso de recurso que dificultou a defesa da vítima, uma vez que agiram em superioridade numérica e de forças para espancá-la e matá-la, não possibilitando chances de defesa.

Assim, na sessão plenária realizada no dia 18/2, os réus foram condenados e incursos nas penas do art. 121, § 2º, inc. I, III e IV, do Código Penal. Segundo registro nos autos, os irmãos são reincidentes em práticas delitivas.

PJe: 0001344-57.2018.8.07.0020