TJDFT abre exposição em comemoração aos 60 anos do Judiciário da capital federal

por AR — publicado 2020-03-09T18:54:00-03:00

WhatsApp Image 2020-03-09 at 19.27.27.jpegEstá aberta oficialmente a exposição “ A Arte no TJDFT: Gênese de um Acervo”. Na tarde desta segunda-feira, 9/3, o Presidente da Casa, desembargador Romão C. Oliveira, e a 1ª Vice-Presidente, desembargadora Sandra De Santis, abriram o evento que leva ao público, pela primeira vez, as obras que deram início ao acervo do Tribunal. A mostra abre as comemorações dos 60 anos do Judiciário do DF.  

A exposição reúne 24 obras reconhecidas nacional e internacionalmente. As telas são de autoria de artistas como Di Cavalcanti, Athos Bulcão, Siron Franco, Maria Luiza Leão, Anna Letycia e Esther Joffily. A mostra fica aberta ao público até sexta-feira, das 12h às 19h, no Hall Principal do Palácio Rui Barbosa. A entrada é gratuita.

Durante o lançamento, o desembargador Romão C. Oliveira destacou a satisfação da Casa em colocar seu acervo cultural à disposição dos jurisdicionado e à visitação pública. De acordo com o presidente, a mostra é uma forma de homenagear aqueles que trabalham pela arte. “Com essa exposição, a Corte está homenageando todos aqueles que, originariamente, adquiriram o acervo e trouxeram para Casa as obras de artes mais ilustres da época e, no outro rumo, estamos homenageando aqueles artistas plásticos que ainda não conseguiram ter seu reconhecimento”, pontuou.

A desembargadora Sanda De Santis, por sua vez, lembrou que o acervo do TJDFT começou a ser formado pelo desembargador Hugo Auler, primeiro Presidente do Judiciário local. Uma das obras adquiridas foi o “Retrato de JK”, de autoria de Di Cavalcanti. “Graças ao espírito visionário do primeiro presidente, o desembargador Hugo Auler, que passou a adquirir obras de arte nos anos iniciais de funcionamento do tribunal, hoje desfrutamos de rico patrimônio cultural”, comentou a 1ª Vice-Presidente.

Confira a íntegra dos discursos proferidos pelo Presidente do TJDFT e pela 1ª Vice-Presidente, na ocasião.

O início do acervo

O filho do primeiro Presidente do TJDFT, Hugo Auler Júnior, lembrou que o pai adquiriu algumas das obras expostas quando muitos dos artistas ainda eram desconhecidos. As aquisições, de acordo com ele, eram uma forma de incentivar a cultura em Brasília. Agora as telas podem ser vistas pelo público.  “Hoje as pessoas de Brasília podem vir aqui e ter a oportunidade de conhecer essas obras de arte que são muito interessantes”, comentou.

O acervo do TJDFT começou a ser construído junto com a inauguração do Tribunal, em 1960, durante a presidência do desembargador Hugo Auler. Naquela época, a aquisição de obras de arte era uma prática adotada por vários órgãos públicos, que aderiram ao espírito modernista de otimismo e valorização da cultura. Desde então, o patrimônio do TJDFT foi sendo expandido e atualmente conta com 120 peças.

O evento é realizado pela 1ª Vice-Presidência do TJDFT, por intermédio da Secretaria de Gestão da Informação e do Conhecimento – SGIC e do Núcleo de Apoio à Preservação da Memória Institucional – NUAMI.

Estiveram presentes no lançamento da exposição a 2ª Vice-Presidente, desembargadora Ana Maria Duarte, e o Corregedor da Justiça do DF, desembargador Humberto Adjuto Ulhôa, magistrados, servidores, artistas plásticos e amantes da arte.

Agende-se

Evento: Exposição “A Arte no TJDFT: Gênese de um Acervo”

Data: de 9 a 13 de março, das 12h às 19h

Onde: Hall Principal do Palácio Rui Barbosa (Praça Municipal, Lote 01)

A exposição é gratuita e aberta ao público.

Fotos: Samuel Figueira - Proforme/Divulgação TJDFT