TJDFT inaugura Centro Judiciário da Mulher Polo Oeste

por RM — publicado 2020-03-12T13:57:00-03:00

IMG_0479.JPG

O TJDFT inaugurou, na manhã desta quinta-feira, 12/3, o Centro Judiciário da Mulher Polo Oeste – CJM Oeste, que passa a funcionar no bloco C do Fórum de Taguatinga. Com a inauguração do polo, o Tribunal aumenta a prestação de serviços oferecidos na área de prevenção e enfrentamento à violência doméstica e familiar, nos três eixos de atuação – judicial, policial e comunitário.

A abertura da cerimônia foi feita pela juíza do TJDFT Luciana Lopes Rocha, coordenadora do Núcleo Judiciário da Mulher - NJM, após a apresentação do Hino Nacional brasileiro pela banda da Polícia Militar do Distrito Federal. A magistrada apresentou todo o trabalho desenvolvido pelo NJM do TJDFT e descreveu as atribuições dos CJMs, dentre as quais, a de promover programas de prevenção e enfrentamento da violência doméstica e familiar contra a mulher no DF.

Além disso, a juíza destacou que a inauguração do Centro “busca viabilizar maior interação entre os serviços judiciários prestados pelo NJM e os diversos atores e agentes públicos e privados que compõem a rede de enfrentamento e proteção, para maior capilaridade nas ações de prevenção e enfrentamento”. Em seguida, o juiz do TJDFT João Lourenço da Silva, diretor do Fórum de Taguatinga, ressaltou a importância da inauguração do CJM Oeste, um “imprescindível centro de acolhimento e orientação aos cidadãos (...) que contribui de forma essencial com a melhoria da prestação jurisdicional”.

IMG_0564.JPGA 2ª Vice-Presidente do TJDFT, desembargadora Ana Maria Amarante Brito, elogiou a forma interdisciplinar e sistêmica dos CJMs para lidar com o enfrentamento da violência contra a mulher e enfatizou a importância de se identificar os reais motivos da violência.

“Aqui nós metemos a colher nas brigas de marido e mulher. Temos que interferir, sim! E esse combate à violência deve começar desde muito cedo, nas escolas. Com mais esse Centro Judiciário da Mulher a capilaridade dos nossos serviços vai se intensificar. Assim, vamos atingir os segmentos da sociedade que mais necessitam. Parabéns a todos os envolvidos por mais esta vitória”, finalizou a desembargadora.

Estiveram presentes, além os juízes coordenadores do NJM e outros magistrados do TJDFT, a secretária da Mulher do DF, Ericka Filippelli, autoridades do MPDFT, PCDF, PMDF e atores e agentes públicos e privados da rede de enfrentamento e proteção da mulher do Distrito Federal.

Fotos: Alex Ferreira - Proforme/Divulgação TJDFT