Seminário de 20 anos do Programa Justiça Comunitária reúne palestrantes internacionais

por ASP — publicado 2020-11-04T15:53:00-03:00

MATERIA-webinar-justica-comunitaria.jpg

O Seminário será transmitido pelo canal do TJDFT no YouTube

O I Seminário Nacional de Mediação Comunitária — Construindo um futuro de paz com democracia, que acontecerá nos dias 12 e 13 de novembro, contará com a participação de palestrantes internacionais renomados. Clique aqui e conheça os palestrantes.

O Seminário é realizado pelo TJDFT, com apoio do programa EUROsociAL da União Europeia, em comemoração aos 20 anos do Programa Justiça Comunitária – PJC do TJDFT.  O evento destina-se a magistrados e servidores do TJDFT, bem como a profissionais de instituições parceiras e comunidade em geral. Clique aqui para se inscrever.

O objetivo é discutir questões relevantes relacionadas à mediação comunitária, compartilhar experiências internacionais e traçar estratégias políticas para o fortalecimento da prática a fim de contribuir para um futuro de paz e democracia.

Serão dois dias de palestras, debates e mesas-redondas com renomados especialistas na área da mediação comunitária e atores que participam do dia a dia do PJC. Entre os temas que serão abordados estão: “Construção da paz diante das violências estruturais”; “O medo do outro – exclusão e não integração”; “Mediação Comunitária na perspectiva dos Direitos Humanos”; “Educação para os Direitos”. O evento contará, ainda, com mesas com agentes comunitários, que compartilharão experiências e vivências de mediador. Confira a programação.

PJC 20 anos

No último dia 20/10, o Programa Justiça Comunitária - PJC do TJDFT, coordenado pela juíza Gláucia Foley, comemorou 20 anos de atuação. Criado em 2000 como uma iniciativa pioneira do TJDFT, o PJC contribui para a democratização do acesso à Justiça por meio de métodos alternativos de solução de conflitos e de estratégias de emancipação comunitária.

Em 2005, o PJC foi o vencedor da 2ª edição do Prêmio Innovare, na categoria Tribunal de Justiça, e desde então tem sido apontado como referência nacional pelo Ministério da Justiça. Atualmente, o programa atua em três regiões administrativas do DF: Ceilândia, Taguatinga e Samambaia.