Artigo de Juíza do TJDFT trata do combate à discriminação etária

por ACS — publicado 2022-06-15T14:21:00-03:00

Intitulado “A gente não tem mais idade para isso”, artigo da Juíza Monize Marques foi publicado no Correio Braziliense on-line e impresso  nesta quarta-feira, 15/6, data em que é celebrado o Dia Mundial de Conscientização da Violência contra a Pessoa Idosa.

No texto, a magistrada destaca o fato das pessoas serem na velhice uma continuação do que foram a vida inteira, e demonstra insatisfação com o fato de pessoas perderem crédito em razão da idade, ao citar as críticas do último álbum da cantora Madonna.

“Em uma sociedade em que a convivência de várias gerações se torna uma rotina, é inconcebível práticas discriminatórias que imputem aos mais velhos a condição de decrepitude, incapacidade, inconveniência”, pontua a juíza.

Ela argumenta que “a modificação da estrutura demográfica exige a implementação de uma cultura acolhedora em relação ao envelhecimento e seus desafios”, e defende que “o combate à discriminação etária, também conhecida como ageismo, etarismo ou idadismo, deve ser feito de forma intencional”.

Você encontra a íntegra do texto no site Correio Braziliense on-line ou no link Artigos, disponível na página principal da internet do TJDFT, local onde são divulgados periodicamente assuntos importantes para a Justiça local, por meio de porta-vozes da Casa e pessoas relevantes do meio jurídico.

A Juíza Monize Marques é coordenadora da Central Judicial do Idoso (CJI) do TJDFT e acaba de lançar, em coautoria com a Juíza Christiane Campos, a Cartilha Quem nunca? – Reflexões sobre o preconceito em razão da idade”, um guia sobre a velhice e os direitos da pessoa idosa. Acesse a íntegra da cartilha.